Cesar Greco/Ag Palmeiras
Cesar Greco/Ag Palmeiras

Delegado nega interferência na decisão de juiz sobre Egídio

Juiz voltou atrás na expulsão pós consultar assistentes

O Estado de S. Paulo

04 de outubro de 2015 | 21h00

O delegado da partida entre Chapecoense e Palmeiras, Marco Antônio Martins, que também é presidente da Associação Nacional dos Árbitros de Futebol, garantiu que não houve interferência externa no lance da anulação do cartão vermelho dado ao lateral-esquerdo Egídio no primeiro tempo. “O que ocorreu foi a falta de contato entre o auxiliar e o árbitro porque o rádio falhou. Quero que provem que houve qualquer tipo de interferência. O mal do futebol não é a arbitragem”, disse, em entrevista para o SporTV.

Ele explicou que o problema de comunicação foi que causou toda a polêmica. "O que ocorreu foi a falta de contato entre o rádio do auxiliar e do árbitro principal. Foi um erro do trabalho de equipe, houve esse problema de procedimento. Mas o mais importante foi que acertamos", continuou. Curiosamente, na súmula da partida nada é relatado sobre o assunto.

Para o lateral-esquerdo Egídio, o árbitro Jailson Macedo Freitas admitiu que errou no lance da sua expulsão. “Falei com o árbitro que eu não iria reclamar de um lance se não tivesse certeza que não tinha acertado o jogador. Eu tinha certeza. Ele falou que errou e, por isso, voltou atrás. Dei parabéns a ele por ter reconhecido o erro”, revelou Egídio.

Na Chapecoense, o técnico Guto Ferreira levantou suspeita sobre a atuação da arbitragem. “Alguma coisa aconteceu ou alguém falou para ele, que voltou atrás”, disse o treinador, bastante incomodado. Ele também lembrou que a Fifa vetou recentemente o pedido de uso da tecnologia pela CBF. 

 "Ele expulsou porque viu, porque tinha convicção. Na autoridade do jogo, é o juiz. Ele expulsou. Prejudicou muito a nossa equipe. Falha da arbitragem, quem sou eu para julgar eles. Não foi de má fé", disse o zagueiro Neto, do time de Santa Catarina, na saída do primeiro tempo.

Já o técnico do Palmeiras, Marcelo de Oliveira, preferiu não se alongar muito sobre o assunto. "A arbitragem foi normal. O mérito da vitória é todo da Chapecoense.”

Outro lance polêmico ocorreu aos nove minutos do segundo tempo. Tulio de Melo anotou o terceiro gol do time da casa, de cabeça, e a arbitragem mais uma vez se confundiu e demorou a confirmar o lance.

Tudo o que sabemos sobre:
FutebolPalmeirasCampeonato Brasileiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.