Della Monica: é a realização de um sonho

Eufórico, mas contido, como de costume, Affonso Della Monica Netto deixou a sala de votação por volta das 23h30 de ontem, quando atendeu à imprensa pela primeira vez já como presidente do Palmeiras. Embora educado, não quis responder a muitas perguntas e fez questão de dizer que a vitória contra Seraphim Del Grande marcou a realização de um sonho. "Para completar meu currículo, só faltava a presidência", afirmou. "Todo garoto, quando chega ao clube, sonha ser jogador. Quando não consegue, parte para ser dirigente e o ápice é o cargo de presidente." Della Monica, que ficou por 12 anos como vice-presidente, contou que acompanhou a delegação nos 46 jogos do Campeonato Brasileiro de 2004 e garantiu que dará prioridade ao futebol na sua gestão, que irá até janeiro de 2007. "Nasci no futebol, gosto de futebol, acompanho e darei força para o futebol." O dirigente ressaltou, no entanto, que não fará loucura para a montagem da equipe. "Mesmo que venha um grande nome, será com os pés no chão." Ou seja, não aceitará pagar salários acima do que o clube considera fora da realidade nem investir pesado para adquirir direitos de atletas. O novo presidente do Palmeiras evitou falar da aproximação com a oposição. Seraphim Del Grande contou que já tem conversa bem encaminhada com as Casas Bahia para uma futura parceria com o clube. E declarou que sua intenção é repassar o negócio para a direção palmeirense. "Agora não é o momento oportuno, porque teremos outras coisas para pensar, como duas eleições para o Conselho Deliberativo", justificou. "Depois disso, vamos traçar diretrizes." Della Monica também evitou fazer comparações sobre seus métodos de trabalho com os de Mustafá Contursi, que deixou o cargo ontem. Mas afirmou que o amigo deixou o clube em "boa situação financeira e patrimonial". "O grande projeto é cobrir nosso estádio e torná-lo uma arena multiuso." O dirigente disse considerar boa a base da equipe de Estevam Soares, mas comentou que vai buscar reforços para o elenco nas próximas semanas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.