Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Demitido do Palmeiras, Dorival reclama e diz que não era 'bombeiro'

Se sentindo traído por Paulo Nobre, treinador afirma que só havia assumido clube alviverde porque houve promessa de sequência

Estadão Conteúdo

10 de dezembro de 2014 | 12h53

O técnico Dorival Júnior se sente traído pela direção do Palmeiras depois de ter sido demitido pelo presidente Paulo Nobre na última segunda-feira. O treinador, que tinha contrato até o meio do ano que vem, alega que foi contratado para um trabalho de longo e médio prazo e que, só aceitou assumir o clube, em setembro, porque houve a promessa de que teria a oportunidade de dar sequência ao trabalho em 2015 depois de livrar a equipe do rebaixamento.

"Abri mão de vários fatores para que 2015 fosse um ano dentro de uma esquematização, dentro de um trabalho que fosse realmente pensado para que pudéssemos fazer com que o Palmeiras desse um salto de qualidade em um curto espaço", disse o treinador, em entrevista ao SporTV.

De acordo com Dorival, ele só aceitou assumir o Palmeiras na zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro, substituindo o argentino Gareca, porque havia a promessa de que o trabalho teria continuidade.

"Antes até do meu lado pessoal, penso na entidade que vou estar defendendo. Eu não gostaria de vir para o Palmeiras apenas como um bombeiro para que apagássemos um incêndio. A grande maioria dos meus trabalhos, começando pelo Figueirense em 2003/2004, se tem um ponto positivo, seria a montagem desses grupos", comentou.

O treinador deixou claro que acreditava que ficaria no ano que vem e foi surpreendido com a demissão. "É natural que eu tenha me preparado não só para um final de ano complicado e difícil, mas acima de tudo, que também pudesse participar de uma situação em 2015, Mesmo entendendo todas nuances que acontecem na vida profissional de um treinador."

Falando sobre o Campeonato Brasileiro, culpou a ausência de Valdivia na maior parte da reta final como fator determinante para que o clube chegasse à última rodada ameaçado pelo rebaixamento. "Em determinado momento nós tivemos uma caída, realmente brusca, coincidindo com a saída do Valdivia, aquela última saída para a seleção chilena, e a volta lesionado. Foi um prejuízo muito grande."

Tudo o que sabemos sobre:
futebolPalmeirasDorival Júnior

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.