Demitido, técnico da Grécia critica falta de confiança na seleção

Fernando Santos estava chateado pela derrota contra a Costa Rica e a descrença dos dirigentes, que marcaram a volta para o domingo

O Estado de S. Paulo

29 de junho de 2014 | 22h22

Após o jogo, o técnico da Grécia, Fernando Santos, chegou na sala de imprensa para entrevista coletiva cabisbaixo, pela derrota dupla. Além da eliminação diante da Costa Rica, o treinador estava chateado com a descrença da federação grega. "Nosso voo de volta para a Grécia está marcado para às 23h30. Talvez não acreditassem que a gente passaria", disse o treinador português, que tem contrato com a seleção até segunda-feira, mas já avisou que não vai permanecer no cargo.

"A Grécia já tem um novo treinador. Não serei eu. Posso garantir. É uma situação já resolvida", disse. O nome deve ser divulgado nos próximos dias.

O treinador sentiu que seu mundo desabou após Umaña marcar o gol que garantiu a eliminação grega. "Seguramente, o que passou foi tristeza. Na hora não passa muita coisa pela cabeça, só tristeza. A gente queria seguir, mas não deu."

Sem deixar de lado a sua postura polêmica, o português disse que não acredita que a Costa Rica vá longe. "Gostei deles nos três primeiros jogos, mas não sei se é possível chegar mais longe agora. Apesar de ser uma boa equipe, quando começar a vir os cansaços, as individualidades das outras equipes vão aparecer", disse. 

CHORO DO 'VILÃO' 

Embora tenha participado ativamente do gol de empate, ao chutar a bola que foi rebatida por Navas e sobrou para Sokratis marcar, Gekas deixou o campo como o vilão da seleção grega. Era a quarta cobrança de pênalti grega. Até aquele momento, 4 a 3 para a Costa Rica com 100% de aproveitamento de ambos os times. Gekas escolheu o canto esquerdo dele, direito de Navas, e viu o goleiro defender.

Gekas, único cobrador a desperdiçar pênalti, foi à lona. Jazia inconsolável no gramado da Arena Pernambuco. O atacante grego desabou após a eliminação de seu país. Chorou copiosamente.

Na zona mista, passou sendo amparado por companheiros e ainda com os olhos cheios de lágrimas. Parecia não acreditar que seu chute fez com que o sonho de sua nação fosse por água abaixo.

As lágrimas não foram apenas de Gekas. Cholevas também precisou do amparo dos companheiros. Olhar distante, parecia não acreditar no que aconteceu, assim como os demais companheiros, todos achando que viviam um pesadelo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.