Denílson: de Diadema para a Espanha

Há pouco mais de 10 anos, Denílson saía nas ruas de Diadema para bater uma bolinha com os amigos. Já era fanático por futebol e driblava como poucos. Só tinha um problema. Faltava-lhe dinheiro para comprar um tênis, uma chuteira. Não se importava e, mesmo descalço, enfrentava os adversários em igualdade de condições. ?Às vezes, conseguia uma chuteira emprestada?, lembra. Jamais via na mesa de sua casa uma comida diferente, uma sobremesa que todos os garotos sonham comer, um chocolate, um refrigerante. Passava dificuldades, mas não desanimava. Tinha esperanças de que tudo poderia mudar de uma hora para outra. Seu sonho não foi em vão. A meteórica ascensão no São Paulo, graças a Telê Santana, e a explosão como um jovem craque, em 1994, lhe proporcionaram radical mudança de vida. Em 98, após dar o título paulista ao Tricolor, o atacante foi para a Europa na transação mais cara de todos os tempos do futebol brasileiro, US$ 34 milhões. O são-paulino embolsou quase US$ 5 milhões e hoje leva uma vida que jamais poderia imaginar, nem nos mais fantásticos sonhos. É tratado como rei na Espanha. Denílson de Oliveira recebeu, em Sevilha, a reportagem da Agência Estado e mostrou como é o dia-a-dia. Na garagem de sua bela casa, na cidade espanhola, ?desfilam? quatro dos mais luxuosos carros do mundo, três alemães e um francês. O jardim é de dar inveja a magnatas e no fundo, claro, não poderia faltar uma piscina. Quando tem tempo livre, corre para a salinha de jogos, onde exibe seu talento no pebolim. ?Sevilha é uma cidade muito boa para se viver, mas pequena. Qualquer coisa que faço é comentada e, por isso, evito sair à noite, gosto mais de ir ao cinema, ao teatro, passear em shopping. A vida aqui é totalmente diferente da que levava no Brasil.? Depois de quatro anos, tornou-se ídolo da torcida do Bétis, equipe que faz boa campanha na Liga Espanhola e luta por uma vaga na Copa da Uefa de 2003. Os torcedores compuseram até uma música em homenagem ao brasileiro, que cantam sempre que entra em campo. Os treinos não são tão pesados. Geralmente ocorrem pela manhã. Assim, sobra sempre um bom período do dia para descansar. Depois do almoço, o cochilo é infalível. À noite, costuma passear com a namorada, a espanhola Vicky Martín Berrocal, com quem se relaciona há poucos meses. Apesar de adaptado à nova cultura, Denílson não consegue esquecer os costumes brasileiros. Para matar um pouco a saudade, contratou uma cozinheira brasileira, dona Inês, que já vivia na Europa antes de trabalhar com o jogador. Freqüentemente faz uma típica carne de panela, com batatas fritas, arroz e feijão. Também gosta de preparar uma suculenta feijoada. ?Ele é um bom patrão e, apesar de famoso, me trata bem, não é arrogante?, diz Inês. Uma das preocupações do atacante era encontrar companhia. Seus pais, Amélia e Helvécio, o visitam quase todo o semestre, mas são obrigados a viver no Brasil para cuidar da filha mais nova. Por isso, Denílson convidou um velho amigo de infância, dos tempos de Diadema, para morar em sua casa, Rogério, conhecido como Marrom. O rapaz gostou da Espanha e não quer mais voltar ao Brasil. Arrumou emprego numa loja e já tem sua própria renda. Nas folgas, Denílson se esforça para visitar algum colega brasileiro. Há pouco menos de duas semanas, por exemplo, seu time, o Bétis, foi a Madri para enfrentar o Real ? o jogo terminou empatado por 1 a 1. Após a partida, correu para a casa do volante Flávio Conceição, onde passou a noite jogando cartas, tocando pagode, batendo papo. Na tarde do dia seguinte, pegou um trem para retornar a Sevilla. E, claro, tudo com muito luxo. Quando chegou à estação de Madri, pegou um bilhete do vagão classe A do AVE (Alta Velocidade Espanhola), seguiu para sua poltrona e foi prontamente atendido pelos funcionários do trem, que lhe serviram o almoço e entregaram jornais e revistas. Toda a mordomia, no entanto, será facilmente trocada por um lugar na seleção brasileira. Para Denílson, de 24 anos, vale mais uma passagem para a Copa do Mundo da Coréia do Sul e do Japão que a piscina e as confortáveis acomodações de sua casa, os carros alemães...

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.