Denílson ganha status de ?intocável?

Denílson encantou a Colômbia e o técnico da seleção, Luiz Felipe Scolari, na noite de quarta-feira, contra o Paraguai, e ganhou "status", pelo menos momentâneo, que só era conferido a Romário nos últimos meses, o de ídolo e titular absoluto do ataque brasileiro.A pergunta agora é: quem será seu companheiro na partida do dia 15, contra o Paraguai, pelas eliminatórias? Possivelmente o Baixinho, que, no entanto, não tem presença assegurada.Chegou à Copa América como reserva e precisou de dois jogos para tornar-se o dono de uma vaga. Sua escalação na partida de segunda-feira, pelas quartas-de-final da competição, já está confirmada, independentemente da contusão de Ewerthon. Contra o Peru, o atacante entrou na segunda etapa e fez um golaço. Diante do Paraguai, substituiu Ewerthon e deu show. Além dos passes para Alex e Belletti marcarem, fez o seu no fim. "Mas não me considero titular; até porque sempre fui reserva na seleção." Tornou-se o grande ídolo da Copa América na Colômbia. Foi eleito, pela imprensa e pelos torcedores, o melhor jogador da primeira fase do torneio e ganhou um apelido, o de mago - aquele que pratica a magia, que é mágico, bruxo, segundo o dicionário. "É bom começar a receber elogios depois de tanta paulada, mas sei que esse negócio de mago dura até quando eu estiver jogando bem; se for mal, as críticas vão voltar." Felipão foi criticado pelos colombianos por deixar Denílson na reserva nos três primeiros jogos. Agora, quer justiça. Afinal, foi ele o responsável pelo retorno do atleta de 23 anos à seleção. O próprio atacante ficou surpreso com a convocação para a disputa da Copa América. Quando foi avisado por um familiar que viajaria para a Colômbia, pensou que fosse brincadeira. Estava esquecido na Segunda Divisão da Espanha, embora tivesse feito boa campanha com o Bétis. "Ele entrou muito bem contra o Peru e foi espetacular contra o Paraguai", definiu o treinador. "O Luiz Felipe está sendo importante para mim, ele me dá liberdade para jogar como gosto", ressaltou o jogador, que vinha pedindo, nos últimos dias, o fim da europeização do futebol brasileiro. "Vou continuar jogando como sei, dando dribles." Rivaldo, Romário e Élber não estão participando da Copa América e, por isso, vão perder espaço, adiantou Felipão. Assim, Denílson já está garantindo, também, a condição de titular da equipe que disputa as eliminatórias. Ele só não jogará contra o Paraguai, em Porto Alegre, pelas eliminatórias, se sofrer uma contusão. "Os jogadores que estão aqui (na Colômbia) merecem uma oportunidade de continuar no time", declarou o técnico brasileiro. "Aqueles que atuaram contra o Uruguai (no início do mês, pelas eliminatórias) pediram dispensa, mas poderiam estar aqui..."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.