Denílson pede desculpas e fala menos

Denílson tem feito apresentações discretas no Bétis, no torneio espanhol de 2003-04, mas se tornou centro de polêmica no clube no começo da semana. A quebra da rotina ocorreu com a publicação de entrevista que deu à ´L´Equipe Magazine´, em que se mostra disposto a mudar de ares. O campeão do mundo afirmou, à revista francesa, que gostaria de tentar a sorte em outro clube, "em Paris ou na Inglaterra". Além disso, admitiu que gostaria que a temporada terminasse. As declarações provocaram mal-estar entre dirigentes e torcedores em Sevilha, magoados com as revelações. Denílson é a contratação mais alta da história do clube - US$ 26 milhões em 1997 - e ainda hoje uma de suas principais estrelas. O contrato vai até 2010 e, pelo menos em princípio, não há interesse oficial de rompimento. Por isso, todos estranharam o conteúdo da reportagem "O Caro desaparecido", trocadilho com o preço do passe e o carinho com que é tratado. Denílson foi mais rápido do que os dribles que aplica nos zagueiros rivais. Assim que percebeu a repercussão, tratou de explicar melhor o contexto de suas frases. "Antes de mais nada, quero deixar claro que me sinto feliz com a cidade e com o Betis", declarou, após o treino de hoje. "A última coisa que desejo é atrito com pessoas que me tratam bem", reforçou. "Por isso, peço desculpas aos torcedores, aos dirigentes se lhes causei algum aborrecimento. Não tive essa intenção." O problema, segundo o atacante, está na forma de edição de suas respostas. Como sempre ocorre em situações de saia-justa como essa, a responsabilidade recai sobre a imprensa. "Procuro ser atencioso com os jornalistas, mas daqui para a frente falarei o menos possível, para que não se tirem conclusões erradas", adiantou. Denílson garantiu que respondeu como torcedor, ao falar que não via a hora do campeonato terminar. "Ninguém gosta de sofrer, nem os torcedores nem nós", ponderou. "Por isso, falei que seria bom que tudo terminasse logo, mas que acabasse bem melhor do que agora e também com empenho de nossa parte." O astro, de 26 anos, aproveitou também para fazer nova declaração de amor ao Bétis. "Não tenho por que sair", explicou. "Uma coisa é falar que gosto da França ou da Inglaterra. Outra é dizer que vou sair. Também gosto de vinho, mas nunca me embriaguei", afirmou ao jornal espanhol Marca. "O ano tem sido difícil, por causa das contusões, e acho que eu não soube lidar bem com isso." O Betis está em 11.º lugar, com 43 pontos. Posição intermediária, que não o levará a copas européias, mas também o mantém a razoável distância da zona de rebaixamento. Até agora foram 10 vitórias, 13 empates e 10 derrotas. O ataque marcou 40 gols e a defesa sofreu 37. Denílson participou de 24 partidas e marcou apenas dois gols. "Não sou goleador, mas certamente na próxima temporada as coisas serão melhores", animou-se. "Ficarei aqui, se o presidente quiser."

Agencia Estado,

22 de abril de 2004 | 18h36

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.