Denílson se emociona com a ótima atuação como ponta-direita

Atacante - ou meio-campista - chorou no vestiário ao lembrar de ter sido tachado como 'ex-jogador'

Juliano Costa, Jornal da Tarde

18 de maio de 2008 | 21h49

Denílson chegou ao Palmeiras como um ponta-esquerda em decadência, mas Vanderlei Luxemburgo, aos poucos, o vai transformando num jogador quase completo - falta "só" aprender a chutar. Jogando como um ponta-direita, mas com liberdade também para entrar pelo meio e arriscar enfiadas para Alex Mineiro, Denílson foi o grande responsável pela primeira vitória do Palmeiras no Campeonato Brasileiro, neste domingo, por 2 a 1, sobre o Inter, no Palestra Itália.Veja também: Palmeiras vence a primeira no Brasileirão: 2 a 1 no InterO atacante (ou será meio-campista?) levantou a torcida alviverde com dribles desconcertantes e belos passes para os companheiros. Perdeu um gol feito logo no início, mostrando que ainda não se sente totalmente à vontade como um finalizador, mas marcou aos 29 minutos, abrindo o caminho para uma vitória que poderia ter sido muito mais fácil não fosse pela falha da defesa no gol de empate do Inter, nos acréscimos do primeiro tempo."Tive uma chance sozinho, na cara do gol, e chutei a bola lá no céu. Mas, felizmente, consegui me redimir em seguida. Só acho que poderíamos ter feito mais gols no primeiro tempo. Tivemos muitas chances. O empate acabou sendo um castigo", analisou o jogador.Denílson, com 30 anos, só voltou à sua posição de origem - a ponta esquerda - após a entrada de Lenny, com 30 minutos do segundo tempo, quando o Palmeiras já vencia por 2 a 1. "Foi idéia do Vanderlei me colocar na direita. Procurei ajudar e creio que fui bem".Elogios do chefe - Ele saiu cansado aos 35 da segunda etapa, substituído por Sandro Silva. Foi aplaudido de pé pelos pouco mais de 10 mil torcedores - o menor público do ano no Palestra. "Era importante vencermos este jogo. Não tivemos uma boa estréia fora de casa (contra o Coritiba) e sabemos que não podemos perder pontos aqui no Palestra", disse.Ele foi muito elogiado por Luxemburgo. "Denílson fez um grande jogo. Até quando o zagueiro entra nele, ele consegue arrancar. Está se recuperando como jogador. Qualidade ele tem".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.