Rubens Chiri/Divulgação
Rubens Chiri/Divulgação

Dênis pede calma para a torcida do São Paulo e descarta cobrar faltas

Sucessor de Rogério Ceni, goleiro tenta evitar comparações

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

13 de janeiro de 2016 | 15h41

O ano de 2016 era muito aguardado pelo goleiro Dênis, do São Paulo. Após sete temporadas como reserva de Rogério Ceni, o jogador herdou a posição de titular com a aposentadoria do capitão e se disse preparado para a missão, embora nesta quarta-feira tenha pedido paciência à torcida para evitar comparações e descartado imitar o antecessor e cobrar faltas.

Dênis costuma treinar cobranças depois dos treinos e no passado até teve a chance de marcar contra o Cruzeiro, no Mineirão, pelo Campeonato Brasileiro. O goleiro não pensa em ter novas oportunidades com a bola nos pés. "As faltas não são o meu objetivo neste ano. Meu foco é debaixo das traves. Vou até continuar treinando faltas, como faço nos útimos três anos, mas meu objetivo é ajudar o São Paulo com defesas", disse o goleiro.

Desde 2009 no clube, Dênis tem 95 jogos pelo São Paulo e só agora será titular. A nova função era aguardada com muito expectativa e fez o goleiro se mobilizar até nas férias, quando se concentrou e buscou uma preparação psicológica adequada para encarar o desafio de substituir Ceni, ídolo da torcida. Ao contrário dos anos anteriores, o agora titular sabe que não está nessa condição apenas proviosoriamente.

"Com o Rogério, você tem o peso de substituí-lo, de saber que quando ele está machucado, vai voltar. Com ele aposentado, existe a pressão de que ele não vai voltar e preciso estar pronto. Venho me preparando muito nos últimos anos para ter uma sequência", contou Dênis. O reserva vivenciou ainda algumas prorrogações de contrato de Ceni nos últimos quando, quando o então titular ameaçou se aposentar e desistiu.

O adeus do goleiro do São Paulo foi em dezembro do ano passado. Na ocasião, logo após a última rodada do Brasileiro, Ceni desejou a Dênis sorte. Além disso, o novo titular sabe que vai precisar ter compreensão da torcida caso cometa falhas. "Sei que vai ser muito difícil, a cobrança vai ser muito grande. Espero não ter atritos com a torcida, que vai ter que ter um pouco de paciência porque não tem mais o Rogério dentro do gol", explicou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.