Dentinho dedica gols às meninas seqüestradas em Santo André

'Fiquei muito triste com o que aconteceu', revela o corintiano, destaque da vitória sobre o Bahia por 3 a 0

Agência Estado,

18 de outubro de 2008 | 20h52

O atacante Dentinho, autor de dois gols na vitória do Corinthians por 3 a 0 sobre o Bahia, neste sábado, em Feira de Santana, afirmou que o time estava com vontade de derrotar o rival, que havia vencido o jogo no primeiro turno no Pacaembu. "Eles tiraram nossa invencibilidade. Dessa vez viemos aqui e demos o troco. Agora, temos que manter os pés no chão e conseguir os três pontos em casa contra o Ceará, porque o acesso está próximo", afirmou. Veja também:Corinthians derrota o Bahia e quebra jejum de 11 anosEloá está em coma irreversível, dizem médicosConfira cronologia do seqüestro em Santo André   Autor de 13 gols na Série B, Dentinho aproveitou para fazer uma série de homenagens. Lembrou inclusive de Eloá Cristina Pimentel e Nayara Silva, que foram baleadas por Lindembergue Alves, em Santo André, depois de serem mantidas reféns por 100 horas. Eloá levou um tiro na cabeça e está em coma irreversível. Já Nayara, atingida por um tiro na boca, não corre risco de morte.  "Queria dedicar os gols às meninas. Fiquei muito triste com o que aconteceu." Depois, homenageou os parentes. "Os gols são também para minha avó, que mora aqui em Itanhém (na Bahia), para minha mãe, meu pai e minha namorada. Para o André Santos também. Prometi que faria um gol para ele", completou o corintiano, que chegou a 23 gols na temporada, citando o companheiro de time, que não jogou porque está contundido. Responsável por abrir o placar logo aos 8 minutos do primeiro tempo, com um improvável gol de cabeça, o baixinho Morais elogiou o desempenho da equipe, que soube, segundo ele, atuar com inteligência para superar as dificuldades. "Sabíamos que seria um jogo difícil pela temperatura elevada que iríamos enfrentar e também pelo gramado ruim. Não daria para decidir só na técnica, o time teria de ter muita disposição. Entramos com esse pensamento e fomos felizes quando tivemos chance", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.