Paulo Fernandes/Divulgação/Vasco
Paulo Fernandes/Divulgação/Vasco

Denunciado ao STJD, Eurico Miranda pode ser suspenso 3 anos

Presidente do Vasco fez duras críticas contra a arbitragem

MARCIO DOLZAN, O Estado de S. Paulo

19 de outubro de 2015 | 17h37

Atualizado às 18h33

As fortes declarações de Eurico Miranda contra a arbitragem, contra o presidente da Federação Catarinense de Futebol (FCF), Delfim de Pádua Peixoto Filho, e contra a CBF, na semana passada, podem custar caro ao presidente do Vasco. Nesta segunda-feira, a procuradoria do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) denunciou o dirigente, que poderá ser suspenso por até 3 anos e multado em R$ 200 mil.

Eurico foi denunciado duas vezes no artigo 258 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), que trata de desrespeito à arbitragem e conduta contrária à disciplina, e uma vez 243-D, que se refere à incitação pública de ódio ou violência. No entender da procuradoria, as penas são acumulativas.

Na quinta-feira passada, em entrevista coletiva após o empate do Vasco por 1 a 1 com a Chapecoense, no Maracanã, Eurico criticou a atuação do trio de arbitragem e sugeriu que eles teriam cometido erros de maneira intencional. O dirigente ainda chamou a atuação de "escandalosa" e declarou que a marcação de um pênalti a favor da Chapecoense teria sido feita por determinação externa, mediante ponto eletrônico.

Na mesma entrevista, Eurico afirmou que Delfim Peixoto estaria influenciando a atuação de árbitros para favorecer clubes catarinenses. Segundo o cartola vascaíno, Delfim estaria prometendo futuras indicações dos árbitros ao quadro de aspirantes da Fifa.

Na mesma quinta, Eurico disparou contra a CBF e a comissão da arbitragem. "Estou chamando a responsabilidade do presidente da CBF, chamando a responsabilidade desse departamento de árbitros que é absolutamente incompetente e espero que não tenha outras coisas por trás disso", esbravejou.

No dia seguinte, Eurico Miranda convocou a imprensa e, em nova entrevista coletiva, dessa vez no estádio de São Januário, prometeu "guerra" à CBF. "Não vai ser só a Justiça comum, nem vai ser a Justiça Desportiva. Vai ser declaração de guerra sem quartel. Esse senhor Marco Polo Del Nero vai ver o que vai acontecer por parte do Vasco se essas providências não forem tomadas. Não jogo conversa fora. Será guerra sem quartel. Consequências eu não sei, tudo pode acontecer. Daqui para a frente, prejudicou o Vasco, vai sofrer as consequências", prometeu.

Por conta disso, a procuradoria do STJD denunciou Eurico duas vezes no artigo 258 do CBJD - que prevê suspensão de 15 a 180 dias por cada infração, além de multa de até R$ 100 mil - e uma vez no 243-D, que pode render suspensão entre 360 a 720 dias. O julgamento ainda não tem data para ocorrer.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.