Denúncias marcam o "reinado" de Teixeira

A reeleição para a presidência da CBF, se o pleito vier a ser considerado legal pela Justiça, tornará Ricardo Teixeira ao final de seu mandato o dirigente que por mais tempo permaneceu à frente da entidade: 19 anos. Desde que iniciou sua trajetória, em 1989, ele vangloria-se de ter conquistado dois títulos Mundiais para o Brasil, mas uma gestão que poderia ser sinônimo de competência transformou-se em um amontoado de denúncias de conchavos e mentiras. O sucesso de seus quatro mandatos poderia ter sido garantido pelos títulos mundiais de 1994 e 2002, além do bronze na Olimpíada de Atlanta, em 1996. Vale ressaltar ainda os contratos milionários com patrocinadores, que resultaram em enormes dividendos para a CBF. Feitos que despertariam a inveja de qualquer outro dirigente, não fossem as suspeitas sobre a lisura dos negócios.Leia mais no Estadão

Agencia Estado,

10 de julho de 2003 | 09h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.