Depoimento de Pitta não convence CPI

O empresário de jogadores de futebol, Reinaldo Pitta, não convenceu hoje aos senadores da CPI do Futebol com as explicações que apresentou para justificar o fato de ter concedido três empréstimos, no valor total de R$ 490 mil, sem nenhum tipo de garantia. Os beneficiados foram o presidente do Vasco da Gama, deputado Eurico Miranda (R$ 320 mil), seu filho Mário Ângelo (R$ 110 mil) e o técnico de futebol Carlos Alberto Parreira (R$ 60 mil). Pitta disse que foi motivado, há dois anos, a fazer os empréstimos pela amizade que mantém com seus credores. "Somos vizinhos, temos um relacionamento estreito, temos afinidades", justificou. Ele se valeu dos mesmos argumentos para explicar porque não exigiu nenhum tipo de garantia. "São condições de amizade, tenho apreço e confiança por essas pessoas", defendeu. "Elas dizem que vão me pagar o mais rápido possível". A empresa de Pitta e de seu sócio Alexandre Martins, a Gortin Promoções Ltda, responde pelo contrato de 120 jogadores, sendo 60 deles amadores, informou o empresário. Entre os mais importantes, estão Ronaldo, do Inter de Milão, Amoroso, Vampeta e o Ricardinho. Os valores dos empréstimos estão declarados na sua declaração de renda. O relator da CPI, senador Geraldo Althoff (PFL-SC), lembrou que é ilegal declarar ao fisco valores que não disponham de documentação comprovando sua execução. Para o presidente da comissão, esse tipo de procedimento "pode não ser imoral, mas é anti-ético" porque leva à suspeita de que os empréstimos fazem parte de um acordo ligado ao futebol. O depoimento de Reinando Pitta foi prejudicado pela sua antecipação. Marcado para quinta-feira, terminou sendo hoje porque o empresário disse que não recebeu o comunicado que mudava a data. Outro fato que atrapalhou foi a liminar concedida pelo Supremo Tribunal Federal (STF) à Associação Brasileira dos Agentes de Futebol (Abaf) impedindo a quebra do sigilo bancário, fiscal e telefônico de seus integrantes, entre os quais está Pitta. Os dados sobre seu Imposto de Renda chegaram à comissão antes da decisão do STF. Reinaldo Pitta prometeu aos senadores que vai assinar um documento autorizando a CPI a abrir as suas contas. Só que antes, ele disse que quer conversar com seus colegas da Abaf.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.