Depois de fiasco no Engenhão, jogadores caíram na festa

Ronaldinho Gaúcho comandou o pagode, em clima de muita animação e sob um forte esquema de segurança

Sílvio Barsetti e Bruno Lousada - O Estado de S. Paulo,

16 de setembro de 2008 | 09h35

Para celebrar mais uma curta estada no Rio de Janeiro, alguns jogadores da seleção brasileira passaram a madrugada da última quinta-feira em um sítio localizado numa área de difícil acesso, na Estrada do Pau Ferro, em Jacarepaguá, zona oeste da cidade.  Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão Logo após o vexame do empate entre Brasil e Bolívia, no Engenhão, Ronaldinho Gaúcho comandou uma roda de pagode, em clima de muita animação e sob um esquema de segurança bastante rigoroso. Ninguém podia entrar no lugar com bolsas e celulares. Uma medida para manter intacta a privacidade dos atletas.  Ronaldinho foi um dos últimos a deixar a festa, quase na hora do almoço. Três dias depois, no domingo, atuou pelo Milan (derrota para o Genoa por 2 a 0, pelo Campeonato Italiano) e acabou substituído no intervalo, pois teve rendimento apagado no primeiro tempo. Mas, no pagode, o meia-atacante nem parecia o jogador de pouca inspiração na partida disputada horas antes, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2010, que terminou sem gol e sob intensa vaia do público, e deixou o técnico Dunga em situação muito complicada na equipe. O craque da seleção cantou pagode, dançou e, como de costume, usou seu charme para impressionar as moças mais bonitas que circulavam pelo sítio.  De acordo com o gerente de um restaurante vizinho ao local da festa, outra grande estrela do futebol brasileiro também teve tempo de curtir alguns momentos agradáveis do sarau antes de seguir para o Aeroporto Internacional Tom Jobim, de onde viajou seu novo destino na Europa.  "Gastei R$ 250 com ingressos para assistir com a minha família ao péssimo jogo da seleção contra a Bolívia e eles fazem festa, com direito a churrasco, bebidas, tantas coisas. Eu estou revoltado", declarou o gerente, que pediu anonimato.  Em outubro de 2007, alguns jogadores da seleção se esbaldaram em uma boate, na Barra da Tijuca (zona oeste), com a presença de várias convidadas, depois da vitória do Brasil sobre o Equador (5 a 0), no Maracanã, também pelas Eliminatórias. Pelo menos três atletas do Brasil, entre os quais Robinho e Ronaldinho Gaúcho, estiveram na casa noturna naquela ocasião. Desta vez, a opção foi por um lugar bem discreto, distante dos centros mais badalados da cidade. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.