Bruno Haddad / Cruzeiro
Bruno Haddad / Cruzeiro

Depois de nova derrota do Cruzeiro, Marcelo Moreno pede união e apoio da torcida

Com apenas quatro pontos em sete rodadas, o time ocupa a perigosa 16ª posição, um lugar acima da zona de rebaixamento à Série C

Redação, O Estado de S.Paulo

03 de setembro de 2020 | 00h48

Depois de um início de competição animador, com três vitórias consecutivas, o Cruzeiro parece estar sentindo o peso de disputar o Campeonato Brasileiro da Série B. Ao perder para o Brasil, por 1 a 0, nesta quarta-feira à noite, em Pelotas, o time mineiro acumulou quatro jogos sem vencer e perdeu pela segunda vez consecutiva. O atacante Marcelo Moreno, um dos jogadores mais experientes do grupo, acha que o momento é de união de todos: jogadores, comissão técnica, diretoria e torcida.

"É um momento que o mais importante é a união de todos, inclusive da nossa torcida. Nós sabemos da nossa responsabilidade dentro de campo e sabemos que temos que resolver os problemas aqui dentro. Mas tenho certeza de que vamos melhorar bastante. É preciso melhorar", disse o atacante.

Depois o jogador deu sua visão sobre a partida e pela nova derrota do time, a terceira na competição e a segunda consecutiva, pois havia perdido na rodada anterior por 2 a 1 para o rival América-MG.

"Acho que no primeiro tempo nós fomos bem, realmente foi excelente. Nós chegamos no ataque, criamos chances, mas não fizemos o gol. O segundo tempo ficou equilibrado, o time deles marcou o gol e daí ficou todo fechado lá atrás. Infelizmente, não conseguimos nem o empate, que seria o mais justo", disse o boliviano.

Mas com apenas quatro pontos em sete rodadas, o Cruzeiro ocupa a perigosa 16ª posição, um lugar acima da zona de rebaixamento à Série C. Apesar do silêncio dos dirigentes nos vestiários, a pressão é forte contra o técnico Enderson Moreira. Há quem garanta nos bastidores de que o tempo dele já acabou na Toca da Raposa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.