Depois do susto, Fabiano Eller quer vaga na Sul-Americana

Zagueiro acredita que a equipe apresentou evolução após Márcio Fernandes assumir o comando do time

Sanches Filho, Especial para O Estado de S.Paulo

26 de agosto de 2008 | 19h24

O medo de cair para a segunda divisão ficou para trás e a confiança dos jogadores do Santos é tão grande que a maioria prevê vitória no clássico com o São Paulo, domingo, no Morumbi, e até a conquista de uma das vagas para disputar a Copa Sul-Americana, ano que vem.Fabiano Eller, o mais experiente dos zagueiros do elenco, atribuiu a reviravolta no ambiente à filosofia do técnico Márcio Fernandes, simplificando a maneira de o time jogar, e à chegada de Serginho Chulapa."Ele (Serginho) prometeu e segurou a onda com a torcida. Nenhum jogador foi ameaçado individualmente, mas a torcida queria nos matar", disse. "Agora, a nuvem negra está saindo e as coisas vão clareando. Vamos vencer muitos jogos. A vaga para a Libertadores está complicada, mas podemos conseguir a classificação para a Sul-Americana."Embora procurasse preservar o ex-técnico, lembrando que foi Cuca que o levou para o Santos, Fabiano Eller atribuiu a ele a maior parcela de culpa pela situação em que o time se encontra no Campeonato Brasileiro."Se a gente fizesse o mais simples como agora, com certeza teria dado mais certo. Com a necessidade de ganhar de qualquer jeito, o certo seria primeiro pensar em se defender. Mas o time se abria, sofria o gol e depois vinha o desespero", recordou, dizendo que jogadores se matavam no jogo, saíam de campo esgotados e o time não vencia. "Um perguntava ao outro o que estava acontecendo".A escalação do time com dois zagueiros, dois laterais, três volantes, um meia-armador e dois atacantes foi a mudança mais importante feita por Márcio, na avaliação de Eller. Mas ele também destaca outros fatores que contribuíram para a evolução do time."Chegaram jogadores importantes, como Wendel, que foi muito bem na lateral-direita, Roberto Brum, Rodrigo Souto, que é muito bom. Esse é o esquema que eu e outros jogadores gostam. O sistema defensivo fica mais seguro e a bola sempre vai chegar à frente com a possibilidade de o gol sair porque temos dois bons atacantes."Ao contrário de Fabiano Eller que considera o São Paulo favorito no jogo de domingo, no Morumbi, o volante Wendel, que está sendo improvisado na lateral-direita, acha que os dois times vão entrar em campo com as mesmas possibilidades de vitória."E vai ganhar quem estiver mais concentrado. O São Paulo é sempre um adversário de respeito. É bicampeão brasileiro e se é vencedor é porque tem uma boa equipe e faz um bom trabalho. Mesmo assim não acho que ele seja o favorito porque o nosso time vem crescendo", afirmou.A novidade do time no domingo será a volta de Kléber, recuperado de uma torção no tornozelo direito. Ele está na fase final do tratamento e deve participar dos treinos de quinta e sexta-feira. O clássico poderá ser o seu último jogo com a camisa do Santos porque no dia 2 de setembro ele se apresentará à seleção brasileira para os jogos das Eliminatórias da Copa de 2010 contra o Chile, em Santiago, e Bolívia, no Engenhão, respectivamente nos dias 7 e 10.São fortes os comentários de que o lateral-esquerdo estaria quase negociado com um clube da Europa. Seu pai e empresário, Jordão Correa não retornou as ligações para falar sobre o assunto.CONTUSÃOMaikon Leite, que sofreu grave lesão no joelho direito no jogo contra o Flamengo, será operado nesta quarta às 10h30 pelo medico Joaquim Grava, no Hospital São Luiz, e ficará afastado do futebol aproximadamente um ano.Já Robinho sofreu ruptura num músculo da coxa esquerda e vai passar pelo mesmo procedimento médico a que Fábio Costa se submeteu na semana passada. Seu próprio sangue será centrifugado e depois aplicado no músculo rompido para apressar a cicatrização. O método é conhecido como 'fator do crescimento'. O atacante deve ficar parado mais um mês.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.