Deputada pede exclusão de Benzema da seleção francesa após polêmica com hino

O fase não está mesmo fácil para Karim Benzema. Em meio ao processo por envolvimento em um esquema de chantagem, do qual seu companheiro de seleção Mathieu Valbuena é vítima, o atacante do Real Madrid se envolveu em nova polêmica, esta por seu comportamento após a execução do hino da França antes da partida entre Real Madrid e Barcelona, pelo Campeonato Espanhol.

Estadão Conteúdo

24 de novembro de 2015 | 14h57

Benzema foi flagrado pelas câmeras de tevê cuspindo no chão após ao término da Marselhesa no último sábado. A imagem causou revolta nos franceses, inclusive na deputada que representa o país na União Europeia Nadine Morano, que pediu a exclusão do jogador da seleção nacional.

"Depois de muito tolerarmos as vaias contra a Marselhesa em estádios de futebol, precisamos de dura punição a Benzema, que não é mais digno de vestir as cores da seleção francesa. Não vamos encontrar desculpas para o imperdoável. Benzema deveria ser permanentemente excluído da seleção francesa", escreveu Morano em sua página no Facebook.

Benzema ainda não se manifestou para explicar se o episódio foi apenas uma coincidência ou se queria, de fato, afrontar o hino francês. O jogador, filho de imigrantes argelinos, já causou polêmica em outros momentos em relação à Marselhesa, ao optar por não cantá-la antes dos jogos do seleção por entender que sua letra é xenofóbica.

No fim de semana, diversos campeonatos nacionais pela Europa optaram por tocar o hino francês antes de suas partidas como forma de homenagear as vítimas dos ataques a Paris no último dia 13, que deixaram 129 mortos. Para Morano, isto só agrava o ato de Benzema no último sábado.

"Karim Benzema cuspiu justo no fim da Marselhesa. Esta ato se enquadra em desprezo e insulto às vítimas, suas famílias e toda a nação. Todo mundo sabe o fascínio da juventude por jogadores de futebol. Os jogadores precisam mostrar seu melhor comportamento", argumentou a deputada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.