Dérbi de Campinas cercado de mistério

O Guarani tem desfalques por contusão, enquanto a Ponte Preta está com dúvidas técnicas. Cada rival sofre com seus problemas, deixando os técnicos bem à vontade para manter o clima de mistério do dérbi de Campinas, que será realizado domingo, no estádio Brinco de Ouro.Do lado do Guarani, o técnico Jair Picerni leovu o time para se preparar na cidade de Serra Negra. Mas ganhou um problema com a contusão do lateral-esquerdo Patrick. Ele sofreu uma fratura na mão esquerda e já está vetado pelo médico Milton Possedente. Em seu lugar, podem entrar Adílio ou Émerson - outra possibilidade é a improvisação do meia Valdeir.Outro problema é o meia Harison, vetado antes do último jogo, também com problema muscular. Ele voltou aos treinos nesta terça-feira, cujo desfalque foi Viola, poupado com dores musculares.Ao técnico Picerni não resta outra alternativa a não ser esperar . "Vamos com calma, não adianta forçar a barra. Vamos ver quem vai ter condições de jogo e as opções que teremos", disse ele, adiando a definição do time. Em Campinas, em seu centro de treinamento, a Ponte Preta tenta achar uma solução para acabar com a série de três derrotas consecutivas no Brasileiro - para Cruzeiro, São Paulo e Santos. O ala-esquerdo Bill e o zagueiro Alexandre foram poupados nos treinos, com problemas musculares, mas não preocupam os médicos em relação ao dérbi de domingo.O maior problema na Ponte, ninguém duvida, é a falta de poder ofensivo do time, que, ao lado do Guarani, tem o pior ataque do Campeonato Brasileiro, com apenas 31 gols marcados. Vários jogadores já foram reprovados no comando de ataque ponte-pretano: Anselmo, emprestado pelo Palmeiras; Flávio Guilherme, ex-Paraná; o veterano Macedo, ex-São Paulo; Roger, a revelação do clube; e Barata, repatriado da Espanha.A dupla que melhor funcionou tinha Weldon, agora no futebol árabe, e Júlio César, afastado depois de pegar fama de "baladeiro". Nos últimos jogos, três opções foram testadas. A dupla Roger e o meia Danilo, dentro do esquema 3-6-1, funcionou bem nas vitórias fora de casa sobre Juventude e Figueirense. E a dupla Alecsandro-Danilo não foi bem nas derrotas para o São Paulo e Santos. "Sinceramente, não decidi ainda o que fazer. Vamos fazer experiências até o final de semana", despistou o técnico Nenê Santana.No mais, não há o que esconder. Com a volta do zagueiro Luís Carlos, após cumprir suspensão, a defesa terá Gustavo, Alexandre e Luís Carlos, além dos alas André Cunha e Bill. No meio-de-campo, jogam Marcus Vinícius, Romeu e Lindomar. Faltam mesmo definir os dois atacantes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.