Dérbi volta ao Brinco com serenidade

Desde o dia 28 de outubro de 2002, quando incidentes provocaram ferimentos em 55 pessoas nas arquibancadas do estádio Brinco de Ouro, o dérbi campineiro virou sinônimo de violência sendo aguardado com muita expectativa. Quase um ano depois, os dois rivais voltam a se encontrar no mesmo palco, num clima aparentemente sereno. O conflito entre pontepretanos e policiais, aconteceu devido à superlotação do setor destinado aos visitantes. Na ocasião tinham sido vendidos 6500 ingressos, bem acima dos 4700 deste jogo de um total de 16.700. A expectativa pela presença de público, neste sábado, é menor. A Ponte não atravessa boa fase e os torcedores reclamam do preço da arquibancada: R$ 15. Líderes das torcidas organizadas dos dois clubes estiveram reunidos, quinta-feira, com o comando da Polícia Militar para receber as recomendações de praxe. A surpresa desta vez foram os vetos às entradas de fogos de artifício e fumaça, que eram liberados no gramado e do lado de fora do estádio, e bexigas, usadas com coreografias. Para restringir a ação das torcidas, serão permitidas as entradas apenas de três instrumentos de cada tipo. Menos de quatro mil ingressos foram vendidos até o começo da noite de sexta-feira, com os dirigentes solicitando à Polícia a venda, neste sábado cedo, na tentativa de evitar a presença de um público frustrante. A própria PM está trabalhando com uma reserva estratégica de policiais para o evento, devendo usar efetivo inferior aos 500 policiais escalados em jogos anteriores. Até agora ninguém foi responsabilizado pela confusão no Brinco, que ganhou notoriedade por ser exibida ao vivo no Jornal Nacional, da Rede Globo. O único punido foi o clube, que perdeu o mando de um jogo e teve que enfrentar o Santos no estádio Jaime Cintra, em Jundiaí. Perdeu por 2 a 0. Dois dérbis foram disputados após aquele acidente fatídico do ano passado, ambos no estádio Moisés Lucarelli, o Majestoso, a casa da Ponte Preta. Os dois foram vencidos pelo Guarani - 3 a 1 no Campeonato Paulista e 2 a 0 no primeiro turno do Campeonato Brasileiro de 2003.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.