Derrota coloca Oswaldo em xeque

Cabisbaixo, Oswaldo de Oliveira atravessava o campo fingindo não ver a festa dos corintianos e não ouvir os gritos dos torcedores do time campeão que gritavam "freguês, freguês, freguês". Abatido, ele personificava a terceira derrota consecutiva do São Paulo diante do Corinthians nas últimas partidas decisivas entre os dois clubes: a final do Rio São-Paulo de 2002, a semifinal da Copa do Brasil de 2002 e neste sábado, na final do Paulista de 2003. Rogério Ceni descia carregado para o vestiário. Ele chorava com o joelho esquerdo rasgado depois de bater violentamente na trave esquerda, no terceiro gol corintiano. Teve de tomar cinco pontos dados pelo médico José Sanches. O goleiro não falava nada, só chorava. Muito mais pela decepção da derrota do que pela dor. O quadro era triste demais. Os demais jogadores estavam consternados com mais essa derrota diante do Corinthians. Os líderes do grupo, Ricardinho, Rogério Ceni e Reinaldo, haviam comandado um pacto de vencer de qualquer maneira a decisão. O trio achou essa conversa fundamental depois que souberam ainda na sexta-feira à tarde que Kaká não teria condições de jogar. O time esqueceria as premiações atrasadas do Brasileiro do ano passado. A vontade era vencer e dar uma resposta à diretoria que atrasou os pagamentos e foi derrotada nos bastidores. Os atletas ficaram arrasados ao saber que deveriam vencer a decisão por dois gols de vantagem. Isso explica a raiva descontrolada que a equipe demonstrou no início da partida. A expulsão de Reinaldo não foi surpresa. Ele estava atormentado pelas provocações de Vampeta. E em vez de jogar preferiu os pontapés e a briga desde o início da decisão.Luís Fabiano havia prometido que conseguiria a artilharia do Campeonato Paulista e o título de campeão. Cumpriu uma parte da promessa marcando o oitavo na competição. Mas ele também estava tenso, não queria falar depois da derrota e saiu calado para o vestiário. Oswaldo de Oliveira sabe o desgaste emocional que o time sofreu com a perda do título. Ainda no vestiário ele tratou de consolar os jogadores. Sabia que o objetivo principal do semestre ainda não estava perdido: a Copa do Brasil. O time voltará aos treinamentos já na segunda-feira à tarde. A preocupação será enfrentrar o Gama, em Brasília.Com o fim do Paulista, a diretoria já está livre para anunciar a contratação do zagueiro Luís Alberto, do Real Sociedad. Ele chegará a um elenco muito pressionado, assim como o seu treinador. A derrota deste sábado o desgastou ainda mais com a torcida e a diretoria.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.