Derrota do Santos não abala Nelsinho

A derrota por 2 a 1 para o Cruzeiro, neste domingo, no Palestra Itália com portões fechados, foi bem assimilada pelo técnico Nelsinho Baptista e os jogadores do Santos. ?Não houve alteração nos nossos planos. Quando faltavam dez jogos, falamos que precisaríamos de seis vitórias para nos classificarmos para a Libertadores. Agora, faltam sete jogos e precisamos de quatro vitórias. É difícil, mas não impossível?, explicou Nelsinho.O técnico do Santos queixou-se apenas da falta de agressividade da sua equipe no primeiro tempo, após ter chegado ao gol de empate. ?Pegamos um time que veio para se defender e buscar o gol nos contra-ataques. Sofremos o gol, chegamos ao empate e faltou maior agressividade para decidirmos ainda no primeiro tempo?, revelou.Além de exigir maior empenho dos jogadores de ataque, durante o intervalo, Nelsinho trocou Léo Lima, que estava bem na partida, por Diego.?Procurei dar mais força ofensiva. Depois que sofrermos o segundo gol, fomos obrigados a abrir ainda mais, oferecendo o contra-ataque para o adversário. Tivemos mais volume de jogo, mas não conseguimos transformar as oportunidades em gols?. afirmou o técnico.Basílio, que em dezembro vai completar dois anos de Santos, embora tenha lamentado a derrota, era um dos poucos jogadores com disposição para comemorar. ?No lance do gol, Geílson fez um cruzamento que foi um verdadeiro passe. Sou pequeno, mas quando a bola chega bem, faço meus gols de cabeça?, contou o atacante, que marcou o gol do time.Outro que estava satisfeito era o goleiro Saulo, apontado como um dos melhores do time. ?Tenho que continuar mostrando serviço. Senão, o técnico terá o direito de me trocar?, revelou.Quanto ao fato de ter jogado com o estádio vazio, Saulo até gostou. ?Para mim não é novidade. Até outro dia eu estava no juniores e não aparecia ninguém para ver os nossos jogos. E até melhor, porque fica mais fácil para me comunicar com os companheiros?, afirmou o goleiro.Ainda não é certa a volta do meia Luciano Henrique, que se recupera de ferimentos na coxa direita (tomou oito pontos) e nos pulsos, contra a Ponte Preta, quarta-feira à noite, em Campinas. Segundo os médicos, o jogador, que se feriu com os estilhaços do vidro de box do banheiro, em sua casa, ainda está tomando antiinflamatórios e será reavaliado nesta segunda.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.