Alfredo Rizzutti/Estadão - 12/10/1974
Alfredo Rizzutti/Estadão - 12/10/1974

Derrota em 1974 abreviou história de Rivellino no clube

Depois de perder para o Palmeiras na final do Paulistão de 1974, o camisa 10 foi apontado como um dos responsáveis pelo fracasso

Diego Salgado e Wilson Baldini Jr., O Estado de S. Paulo

22 de dezembro de 2014 | 07h00

Rivellino jogou, há 40 anos, a última das suas 471 partidas com a camisa do Corinthians. Depois da derrota para o Palmeiras na final do Paulistão de 1974, o craque foi apontado pela torcida e pelo presidente Vicente Matheus como um dos responsáveis pelo fracasso. No dia 31 de janeiro de 1975, o dirigente corintiano selaria o destino do camisa 10 após uma viagem ao Rio de Janeiro: ele jogaria no Fluminense.

No clube carioca, a estrela corintiana conseguiu, enfim, erguer uma taça. Com direito a gol na primeira partida do triangular final, diante do Vasco, Rivellino conquistou o título do Campeonato Carioca oito meses após deixar o Parque São Jorge. No ano seguinte, sagrou-se bicampeão com o Fluminense. O Corinthians, por sua vez, precisou esperar quase três anos para voltar à rota vencedora - o fato deu-se no dia 13 de outubro de 1977, contra a Ponte Preta, na final do Paulistão.

A derrota para o Palmeiras em 1974 foi responsável por mudanças no elenco. Além de Rivellino, o goleiro Buttice e o zagueiro Brito deixaram o clube. Uma semana após a final, Vicente Matheus já admitia vender alguns jogadores. "Aqueles que forem considerados culpados irão ao clube apenas para receber seus salários, ficando inclusive proibidos de treinar, até o vencimento do seu contrato", disse o dirigente ao Estado.


O presidente do clube reclamou também da apatia de alguns atletas durante a partida. "Será possível que aquela manifestação (dos torcedores) não serviu para incentivar nossos jogadores? Não consigo entender o que se passou com o time, que tinha vários jogadores completamente apáticos. E é pensando nos 100 mil torcedores que foram ao Morumbi que me proponho a tomar providência", afirmou.

O valor recebido pelo passe de Rivelino (3 milhões de cruzeiros) foi usado para pagar dívidas. O Fluminense pagou à vista. O acordo também previa a disputa de dois jogos, um no Rio, outro em São Paulo. No Maracanã, dia 8 de fevereiro, o time carioca fez 4 a 1, com três gols de Rivellino. Um mês depois, no Pacaembu, o ex-corintiano voltou a marcar - o Corinthians, na ocasião, perdeu por 2 a 1.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.