Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Derrota em clássico aumenta pressão interna sobre diretoria do Palmeiras

Planejamento para a temporada e composição do departamento viram alvo de crítica após clássico com o Corinthians

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

14 de julho de 2017 | 07h00

O dia seguinte à derrota por 2 a 0 para o Corinthians, pelo Campeonato Brasileiro, foi de cobrança aos jogadores do Palmeiras e pressão ao departamento de futebol do clube. A falta de resultados e o reconhecimento por parte do técnico Cuca que ainda falta achar um time titular colocaram em xeque o planejamento elaborada para a temporada.

A figura central das críticas é o diretor de futebol, Alexandre Mattos. O dirigente responsável pelas contratações e montagem do elenco superou momentos de pressão e questionamento semanas atrás. Mas a tensão voltou à tona. Internamente, há a cobrança para que um conselheiro estatutário assuma o cargo dele. Os favoráveis à mudança alegam que a medida aliviaria os custos do clube.

Um dos grandes críticos ao trabalho do diretor de futebol é o ex-presidente Mustafá Contursi. Influente na política palmeirense, ele defende a entrada de um conselheiro na função não só pela economia, mas que um dirigente não-remunerado teria mais identificação com os interesses do clube. Na quarta-feira, logo após o segundo gol do Corinthians, marcado por Guilherme Arana, um grupo de torcedores discutiu com Mattos no Allianz Parque. Os dois lados trocaram ofensas.

O momento de instabilidade coincide com a ausência do presidente do clube, Maurício Galiotte, licenciado por 20 dias da função para viagem de férias à Europa junto com a família. O dirigente é um dos defensores do trabalho de Mattos, a quem deu mais autonomia no comando do futebol logo após suceder o antigo aliado Paulo Nobre, no fim do ano passado.

Leila Pereira, conselheira e dona da patrocinadora do clube, a Crefisa, também é defensora de Mattos. No mês passado, em entrevista ao canal Esporte Interativo, a empresária disse confiar nele e ameaçou repensar o apoio financeiro para reforços caso o dirigente deixasse o clube.

O diretor de futebol chegou ao Palmeiras no fim de 2014, respaldado pelo trabalho no Cruzeiro, onde montou o elenco atual campeão brasileiro. Mattos comandou uma reestruturação no time desde então, ao fazer contratações importantes para dar ao clube os títulos da Copa do Brasil, em 2015, e o Campeonato Brasileiro, em 2016.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.