Ivan Storti/ Santos FC
Ivan Storti/ Santos FC

Derrota em Curitiba faz Diniz criticar arbitragem e reclamar da direção santista

Treinador contesta venda de jogadores importantes, como Kaio Jorge e Luan Peres, em meio à temporada

Redação, Estadão Conteúdo

25 de agosto de 2021 | 23h41

O técnico Fernando Diniz distribuiu críticas para a arbitragem após a derrota, por 1 a 0, para o Athletico-PR, nesta quarta-feira, na Arena da Baixada, pelas quartas de final da Copa do Brasil, e revelou desapontamento com a diretoria do Santos por causa da venda de alguns atletas importantes durante a temporada.

"A arbitragem foi determinante hoje, e foi na Vila Belmiro (contra o Inter). Se aquele lance não foi para expulsão, que o VAR chamou o árbitro, onde o jogador colocou a chuteira entre o joelho e a canela, e não é expulsão... A gente vive uma crise de critério e identidade da arbitragem e no VAR. O pênalti de hoje foi na época que eu jogava, na época do Pelé", disse o treinador santista, que foi até o árbitro Marcelo de Lima Henrique após o apito final da partida em Curitiba.

Diniz destacou seu ponto de vista para o lance polêmico que envolveu o atacante Renato Kayzer, aos 20 minutos da etapa final. "O cara perdeu o tempo da bola e usou o braço para dominar. Era tão óbvio que tinha gente da Santos TV atrás do banco do Athletico, e os jogadores falaram para ficar esperto que foi pênalti. O Marcelo de Lima Henrique falou que era um lance fácil de apitar, que não foi pênalti. É a mesma coisa que falar que o gramado é azul. Foi um pênalti óbvio."

Com a revolta de Diniz, sobraram críticas até para o VAR. "Além de o árbitro errar, o VAR vai e erra em cima. Eu não quero benefícios. O lance de hoje é de qualquer critério, de qualquer época. Como não se revoltar com o auxílio do VAR? Esse tipo de lance poderia determinar passagem de fase na Copa do Brasil. E a responsabilidade disso, de quem é? Tem lance difícil, a bola perto, mas nesse ela escapou, e o jogador dominou com o braço. Precisamos discutir mais seriamente, não sabemos qual o critério, cada um tem o seu. Lance de encostar mão no rosto é amarelo para um lado, não é para o outro. Falta critério, ficamos à mercê da subjetividade do árbitro."

REFORÇOS

O treinador santista também demonstrou sua insatisfação com a saída de Kaio Jorge e Luan Peres, além de não poder contar com Marinho, machucado. Já os novos contratados, Baptistão e Tardelli, vão precisar de tempo para se condicionarem fisicamente. "O que mais me entristeceu foi perdermos jogadores. Trabalhamos com Kaio Jorge, Luan Peres e perdemos o Marinho. Isso é o que me deixa mais chateado, mas não temos controle. Time ganhou uma cara, repetimos, começamos a nos encontrar e perdemos. É difícil se encontrar com as mudanças. Sai um, sai outro... E os que chegam não podem ser exigidos rapidamente. Baptistão não joga há dois ou três meses, por exemplo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.