Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Derrota faz do Palmeiras a vítima preferida do Corinthians no século

Alviverde fica com aproveitamento inferior ao do São Paulo em duelos contra o rival

Renan Cacioli, especial para O Estado de S. Paulo

25 de fevereiro de 2018 | 17h31

O peso do resultado do último Dérbi na vida de corintianos e palmeirenses será melhor mensurado ao longo desta semana, quando as duas equipes farão suas estreias na Libertadores. Porém, antes mesmo dos arquirrivais jogarem na Colômbia - o Corinthians encara o Millonarios, em Bogotá, na quarta-feira, enquanto o Palmeiras visita o Atlético Junior, em Barranquilla, na quinta -, já é possível dizer que os 2 a 0 de sábado propiciaram aos alviverdes um título nada agradável: o de maior freguês dos alvinegros neste século.

+ De olho na Libertadores, Corinthians se vê fortalecido após Dérbi

+ Carille revela como escolheu esquema tático do Corinthians para vencer clássico

O Corinthians conseguiu, com os gols de Rodriguinho e Clayson, emplacar a quarta vitória seguida sobre o Palmeiras. Agora, acumula aproveitamento de 52,17% dos pontos disputados no Dérbi desde 2001, com 19 vitórias, 15 empates e 12 derrotas. No mesmo período, seu desempenho contra São Paulo e Santos foi de, respectivamente, 50,52% e 40,43%.

Até a atual quadra vitoriosa sobre os palmeirenses, os corintianos tinham nos são-paulinos suas maiores vítimas no século XXI. Haviam obtido 49,44% dos pontos no confronto, contra 47,61% diante do Palmeiras. O São Paulo melhorou um pouco seu retrospecto porque somou dois pontos nos últimos quatro clássicos.

“Nossos números recentes em clássicos são impressionantes. É trabalho e competência”, destacou o volante Gabriel, depois do triunfo em Itaquera.

Tão impressionantes que fazem do técnico Fábio Carille figura quase imbatível diante dos rivais estaduais. Desde que assumiu o comando da equipe, em dezembro de 2016, ele disputou 14 clássicos. Venceu nove, empatou quatro e perdeu somente um, para o Santos, no Campeonato Brasileiro do ano passado.

Só o Palmeiras, ele derrubou quatro vezes, com um detalhe curioso: contra quatro treinadores diferentes (Eduardo Baptista, Cuca, Alberto Valentim e Roger Machado).

"O futebol é um conjunto, é a comissão trabalhando, levando informações, e os jogadores absorvendo. De 60% a 70% do sucesso de um time está no vestiário", afirmou o comandante corintiano, que terá mais uma missão pela frente. Depois do jogo pela Libertadores, o Corinthians vai encarar o único rival estadual que o supera no século. No domingo, encara o Santos, às 17h, no Pacaembu, pela 10ª rodada do Campeonato Paulista.

CORINTHIANS EM CLÁSSICOS NO SÉCULO

Contra o Palmeiras:

46 jogos

19 vitórias

15 empates

12 derrotas

52,17% de aproveitamento

Contra o São Paulo:

64 jogos

25 vitórias

22 empates

17 derrotas

50,52% de aproveitamento

Contra o Santos:

61 jogos

20 vitórias

14 empates

27 derrotas

40,43% de aproveitamento

Fonte: "Almanaque do Timão", de Celso Unzelte

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.