Daniel Jayo/AP
Daniel Jayo/AP

Derrota na Argentina leva Palmeiras a ter sequência de decisões

Equipe perde liderança do grupo na Libertadores e terá de recuperar o posto na próxima semana

Redação, O Estado de S. Paulo

03 de abril de 2019 | 11h00

A derrota por 1 a 0 para o San Lorenzo, pela Copa Libertadores, nesta terça-feira, tirou do Palmeiras a possibilidade de um refresco para o elenco durante a próxima semana. O resultado negativo fez a equipe perder a liderança do grupo F da competição e coloca pressão para o compromisso seguinte pelo torneio, na semana que vem, diante do Junior Barranquilla.

Caso tivesse vencido o San Lorenzo, o Palmeiras abriria cinco pontos de vantagem na liderança do grupo e teria encaminhado a vaga na próxima fase da competição. No entanto, terá de jogar na próxima rodada, dia 10 de abril, com a necessidade de se recuperar e torcer por um tropeço dos argentinos contra o Melgar para recuperar a ponta. "Foi um jogo equilibrado e que se decidiu com uma falha nossa", lamentou o zagueiro Gustavo Gómez.

Porém, antes do compromisso com a equipe colombiana pela próxima rodada da Copa Libertadores, o Palmeiras tem pela frente a semifinal do Campeonato Paulista. No domingo o time recebe o São Paulo, no Allianz Parque, e precisa vencer para ir à decisão do torneio. Se houver empate, o confronto será decidido nos pênaltis. No Morumbi as equipes empataram sem gols.

Se passar pelo São Paulo na semifinal, o Palmeiras terá na agenda depois da semifinal o jogo com o Junior Barranquilla, seguido pelos dois jogos da decisão do Campeonato Paulista. O adversário sairá do vencedor da semifinal disputada entre Santos e Corinthians. Na ida, em Itaquera, o clube do Parque São Jorge ganhou por 2 a 1.

Para os próximos compromissos o Palmeiras terá o retorno do atacante Ricardo Goulart, que não viajou à Argentina para trabalhar a parte física. Outra volta aguardada é do meia Gustavo Scarpa, liberado do jogo com o San Lorenzo após o falecimento da avó.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.