Arnd Wiegmann/Reuters
Arnd Wiegmann/Reuters

Derrota para a Suíça na Basileia deixa a seleção brasileira de mau humor

Técnico e jogadores culpam a falta de boas condições físicas da equipe pelo tropeço

JAMIL CHADE - Enviado especial, O Estado de S. Paulo

15 de agosto de 2013 | 08h00

BASILEIA - Neymar irritado, jogadores tensos, goleiros frustrados e um treinador que culpou a falta de condições físicas pela derrota. Se antes da partida contra a Suíça o clima da seleção brasileira era de festa, depois dela o mau humor era indisfarçável. E todos admitiram que a derrota serviu para mostrar que o caminho até a Copa de 2014 será longo.

"O resultado para mim foi normal porque não tínhamos condições físicas de enfrentar uma seleção que está numa condição bem melhor", disse Luiz Felipe Scolari. "Não tenho nada a cobrar dos jogadores hoje (quarta-feira). Quando a perna não ajuda, o raciocínio deixa de lado."

O treinador insistiu em defender seus jogadores, apontando que o Brasil teve as melhores chances de gol no primeiro tempo e que Neymar sofreu um pênalti que não foi marcado. Mas não deixou de dar seu recado: "Nós temos um longo caminho a percorrer. A Copa das Confederações terminou. Agora temos outro caminho e passa pela primeira dificuldade."

A avaliação dos jogadores também foi de que a condição física teve peso fundamental na derrota. "A seleção da Suíça estava melhor. Voltamos tarde das férias", alegou Hulk. "Temos de melhorar em tudo. Mesmo depois de ganhar a Copa das Confederações, nós falamos disso. Temos de trabalhar forte para ganhar a Copa do Mundo." Paulinho falou algo bem parecido: "A Copa das Confederações foi importante, mas passou, temos de trabalhar nos nossos clubes."

IRRITADO

Quem não escondeu a irritação, dentro e fora de campo, foi Neymar. O atacante também citou o cansaço como motivo para a derrota e argumentou que sofreu um pênalti não marcado no primeiro tempo, mas sua principal ofensiva foi contra os comentários de que teria sofrido de anemia.

"Quem tem boca fala o que quer. Ninguém vive comigo, mora comigo. O povo fala demais. Perdi seis quilos, mas já recuperei tudo. Estou jogando normal, treinando. Era esperado depois da cirurgia", afirmou o novo astro do Barcelona, referindo-se à cirurgia para retirada das amídalas a que foi submetido após a Copa das Confederações. "Falam muita besteira e ninguém sabe a verdade. Não precisa colocar pelo em ovo."

Quem também não saiu satisfeito do amistoso foi o goleiro Julio Cesar. Ontem, Felipão cumpriu sua ameaça: quem não estiver jogando em seu clube não terá lugar entre os titulares, e Julio Cesar foi a primeira vítima, substituído por Jefferson. "Julio Cesar não jogou nenhuma partida e seu treinamento tem sido diferente", explicou o treinador da seleção.

Julio admitiu que sabia que ficaria na reserva e que, no lugar de Scolari, teria tomado a mesma decisão. E Jefferson viveu situação inusitada. Pela segunda vez, sofreu um gol contra de Dani Alves. A primeira vez ocorreu quando eles jogavam um Sul-Americano Sub-20. "Lamento por ele", disse o lateral. O goleiro tentava mostrar otimismo. "Fiz uma boa partida e estou brigando pela titularidade."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.