Imagem Ugo Giorgetti
Colunista
Ugo Giorgetti
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Derrotado ou vencedor?

A forma mais eficaz de se falar de um livro multifacetado é consultando o próprio livro

Ugo Giorgetti, O Estado de S.Paulo

26 Novembro 2017 | 04h00

A forma mais eficaz de se falar de um livro multifacetado, cujo autor é por demais diverso, transitando em várias áreas da cultura da cidade e do País, é consultando o próprio livro. Lá estará sempre, em algum lugar, sua definição mais perfeita. É preciso só atenção e paciência para não deixar que escape, pois pode se esconder em qualquer parte. Procurei muito as páginas milagrosas que me desvendassem esse livro e já estava quase me dando por vencido na minha busca quando dei por elas. É que o autor, escritor experimentado, sutil e elegante, preferiu me mostrar o que eu procurava no fim. Como que a me recompensar da faina de ter percorrido o livro inteiro, ignorando, aliás, que percorrer esse livro já é um prazer em si.

Esse prazer se tornou muito maior quando cheguei à última página. Lá estava tudo. Tudo o que gostaria de ter escrito eu mesmo, tivesse o talento do autor. Por isso me permito deixar que a última página do livro Confesso que perdi do jornalista, escritor, polemista, cidadão absoluto Juca Kfouri, fale por si.

“Contei aqui o que vi com meus olhos, e contei do meu jeito mais de meio século de futebol, outro tanto de vida política e de jornalismo, a paixão que, sem perceber, tomou conta de mim e me levou a ser o derrotado mais feliz do mundo. Derrotado sem dúvida, porque nem o Brasil nem o futebol brasileiro, nem o jornalismo tupiniquim, são hoje a coroação dos meus sonhos de juventude.”

“Derrotado porque como dizia o grande Darcy Ribeiro, sinto orgulho de minhas derrotas e morreria de vergonha se estivesse ao lado dos vencedores. Derrotado porque, apesar de profissionalmente vitorioso, por jamais ter transigido em meus princípios, e de ter um padrão de vida quem nem sequer sonhei ao começar a carreira de jornalista, e de vitorioso pessoalmente por causa das pessoas que me cercam, vivo num país infeliz e injusto e que, no que se refere ao futebol, poderia ser a NBA desse esporte, mas é apenas exportador de pé de obra.’’

“Minha geração não cumpriu o papel que dela se esperava no Brasil democrático. Por mais que o país seja melhor do que trinta anos atrás, continua sendo essencialmente excludente, violento, feito para uma minoria que vive como belgas e uma maioria que vive como indianos, a tal ‘Belíndia’, segundo o economista Edmar Bacha ex-presidente do IBGE e do BNDES. As diretas já deram em Collor, o professor FHC comprou sua reeleição, o metalúrgico Lula e a guerrilheira Dilma permitiram que a corrupção seguisse seu curso secular, e estamos aí, sempre à espera de que o gigante acorde impávido colosso.’’

“Tamanha miséria só poderia produzir cartolas cujas cabeças servem apenas para equilibrá-las e arquitetar tramoias. Clubes popularíssimos e pobres; federações impopulares e ricas, ou melhor, com presidentes ricos, os quais apesar de terem sido denunciados sobreviveram e sobrevivem, enquanto o nosso futebol definha. Ora, não há como negar que perdeu quem lutou por um Brasil decente e por um futebol bem gerido nos últimos quarenta anos. Perdeu e perdeu bem perdido. Em quantos não acreditamos tanto e depois nos decepcionamos?’’

“Gosto de pensar que daqui a um tempo poderei atualizar minhas derrotas, quem sabe com algumas outras vitórias. Se não puder, paciência. Porque, acredite, valeu! Ao menos acho que fiz a minha parte até agora, e, embora a desgraça dos que denunciei seja insuficiente, eu posso, ao contrário de muitos deles, ir aonde eu quiser livre, leve e solto. E como sou um eterno otimista, dou um ponto final aqui com a certeza de que não há derrotas definitivas para o povo, porque como ensinou d. Paulo Evaristo Arns, se a vitória final ainda não aconteceu é porque a História continua.”

Mais conteúdo sobre:
Brasil [América do Sul]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.