Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Desabafo e vitória no Uruguai aumentam prestígio de técnico do Palmeiras

Alvo de críticas nas últimas semanas, Eduardo Baptista conquista torcida e ganha status nos bastidores

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

28 de abril de 2017 | 10h30

O desabafo na última entrevista coletiva e a vitória do Palmeiras de virada por 3 a 2 sobre o Peñarol, na quarta-feira, deram ao técnico Eduardo Baptista um grande salto de prestígio no clube. Uma das provas disso foi na tarde desta quinta, quando a delegação retornou de Montevidéu após o compromisso pela Copa Libertadores e o treinador foi bastante festejado pela torcida no aeroporto de Cumbica.

Os cerca de 200 palmeirenses abraçaram e cumprimentaram o treinador, em reconhecimento à vitória que amenizou a grande decepção dos últimos dias. O Palmeiras foi desclassificado no Campeonato Paulista no último sábado, pela Ponte Preta, e busca um bom resultado no Uruguai para amenizar o ambiente e, inclusive, dar tranquilidade ao treinador. No começo do ano ele chegou a ouvir parte da torcida pedir a volta Cuca.

Enquanto passava pelo saguão do aeroporto, Baptista também ouviu gritos de apoio ao desabafo feito na entrevista coletiva depois do jogo no Uruguai. O treinador criticou informações publicadas na imprensa sobre o comando do elenco e a relação com o diretor de futebol, Alexandre Mattos. Nas redes sociais as declarações exaltadas do treinador, que chegou a bater na mesa durante a entrevista, também ganharam elogios.

Nos bastidores do clube a postura do técnico durante esta entrevista teve boa repercussão. Conselheiros e dirigentes gostaram do posicionamento de Baptista e entenderam que a postura firme vai amenizar possíveis desconfianças internas sobre a habilidade dele em gerir o grupo. O elenco tem admitido nas entrevistas a existência de divergências, porém nega que isso atrapalhe a sintonia.

O próprio episódio da briga no Uruguai pode ajudar na coesão do plantel. O Palmeiras considerou que a dificuldade encara pelo grupo vai ajudar a unir o elenco e a dar mais maturidade para a sequência da Copa Libertadores.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.