Desábato é um ilustre desconhecido

"Um jogador desconhecido de um time inexpressivo". Esta poderia ser a definição de Leandro Desábato, defensor do time do Quilmes, da cidade homômina na província de Buenos Aires. Nascido em Caferatta, na área rural da província de Santa Fe, no dia 24 de janeiro de 1979, Desábato jogou no Estudiantes de La Plata e no Olimpo de Bahía Blanca. Há dois anos está na primeira divisão com o Quilmes. O jovem, de 1,86 de altura e 82 quilos (dimensões pouco freqüentes nos baixos jogadores argentinos) se auto-define como uma pessoa "tímida". Em uma entrevista ao site oficial do Quilmes, no dia 31 de março, Desábato fez uma análise elogiosa sobre seu rival Grafite: "ele é muito difícil de deter. Ele faz as coisas muito bem, pois tem potência e velocidade. A melhor forma de detê-lo é reduzindo seu espaço". Segundo disse o analista Ezequiel fernández Moore, Desábato não possui experiência internacional: "esta, possivelmente, deve ter sido a primeira vez que ele jogou no Brasil. No confronto com o Grafite, ele reagiu como se estivesse jogando pelada na esquina da casa. Uma pessoa com mais experiência teria tido mais cuidado ao pronunciar certas palavras". Desábato é apelidado de "El Chavo", nome do personagem da TV mexicana conhecido no Brasil como "Chaves". No entanto, os motivos desse apelido são foco de especulação, já que uma versão indica que ele seria chamado assim por ser distraído e atrapalhado como o personagem. Outra versão sustenta que o motivo do apelido é que Desábato não tinha o costume de tomar banho com freqüência, tal como o "Chaves". SERIAL - O presidente do Quilmes, Daniel Razzetto, declarou que Desábato está sendo tratado como um assassino serial, "e ninguém pensa em sua esposa, que está grávida, passando mal com tudo isto".Razzetto lamentou o affaire Desábato afirmando que tudo não passava de "uma farsa, uma mentira...estava tudo preparado. Estamos sendo o bode expiatório do futebol brasileiro".

Agencia Estado,

14 de abril de 2005 | 18h42

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.