Carlos Gregório Jr./Vasco.com.br
Carlos Gregório Jr./Vasco.com.br

Desábato promete 'deixar a vida em campo' para livrar Vasco do rebaixamento

Volante argentino chegou a perder um mês com uma fissura no pé e vê time com 'oito finais' no Brasileirão

Estadão Conteúdo

24 Outubro 2018 | 18h38

Depois de seis partidas afastado por lesão, o volante Leandro Desábato voltou a defender o Vasco na derrota para o Sport, na última rodada. Ele deu um susto no segundo tempo da partida, ao ser substituído por causa de uma pancada no joelho, mas treinou ao longo da semana e deve atuar contra o Internacional, sexta-feira, em casa, pelo Campeonato Brasileiro.

"Eu me sinto muito bem. A verdade é que fiquei um mês fora em virtude de uma fissura no pé, mas já me recuperei. Agora estou com muita vontade de jogar e irei tratar de ajudar o Vasco a sair dessa situação dentro do campeonato. É importante que todos jogadores estejam bem nesse momento, pois o Valentim vai precisar de todo mundo nessa reta final", comentou nesta quarta-feira.

Desábato é peça chave para tentar livrar o Vasco do rebaixamento. O time cruzmaltino ocupa a 14.ª colocação, com 34 pontos, a três do Ceará, que abre a zona da degola. Por isso, o argentino prometeu "deixar a vida em campo" em cada uma das últimas oito rodadas da competição.

"Serão oito finais para a gente. Precisamos deixar a vida em campo e aproveitar esses jogos que teremos em São Januário. O apoio que recebemos da nossa torcida vai ser importante nessa reta final. Estaremos jogando na nossa casa, onde sabemos que nossa torcida é forte e faz a diferença. Ela canta e nos incentiva até o final, algo que necessitamos e não temos quando atuamos como visitante", declarou.

Se de fato for aproveitado como titular, Desábato deverá ter a incumbência de marcar seu compatriota D'Alessandro. "Já o enfrentei quando jogava no Vélez Sarsfield e ele estava no River Plate. É um cara que todo mundo conhece, um jogador diferente, de muita qualidade. Não vem jogando tantas partidas como antes, mas faz a diferença quanto está em campo. Tem qualidade no passe e sempre busca deixar os companheiros na cara de gol. Se ele for atuar, irei estar muito ligado para não deixá-lo jogar", prometeu.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.