Desábato toma chimarrão na prisão

O zagueiro argentino do Quilmes, Leandro Desábato, tomou um lanche, trazido pelos advogados, e tomou chimarrão na carceragem do 13º Distrito Policial, para onde foi levado na noite de ontem. O jogador - acusado racismo contra o atacante Grafite do São Paulo - aguarda o pagamento de R$ 10 mil fiança para que possa ser libertado. O pagamento deverá ocorrer ainda pela manhã, mas é pouco provável que o zagueiro consiga deixar a prisão antes das 15 horas em virtude de uma série de providências legais que ainda precisam ser adotadas.Desábato foi preso na noite de quarta-feira, assim que terminou a partida entre Quilmes e São Paulo, pela Copa Libertadores da América. A justiça determinou o pagamento de fiança (ele foi autuado por injúria racial), mas a diretoria do Quilmes não conseguiu juntar dinheiro suficiente até o fechamento dos bancos. Por causa disso, ele passou mais uma noite na prisão. Apesar de não ter diploma universitário, Desábato foi colocado numa cela especial, por motivo de segurança. De acordo com a polícia, ele passou a noite numa cela individual, com banheiro e colchão.Mostrou-se abatido e teria chorado diversas vezes durante a noite.Grafite disse que aceita um eventual pedido de desculpas, mas garantiu que não pretende retirar a queixa contra Desábato.

Agencia Estado,

15 de abril de 2005 | 10h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.