Pilar Olivares /Reuters
Pilar Olivares /Reuters

Desânimo peruano pode ajudar o Brasil na próxima partida

Depois de vencer por 3 a 1, o técnico do Chile afirmou que time de Dunga poderá encontrar facilidade

EFE,

30 de março de 2009 | 11h25

O técnico da seleção chilena, Marcelo Bielsa, destacou nesta segunda-feira, a atuação do atacante Alexis Sánchez na vitória fora de casa sobre o Peru, e ressaltou que seus comandados estão mais perto da Copa do Mundo de 2010, enquanto o desânimo da seleção peruana pode facilitar as coisas para o Brasil, que a enfrente na quarta-feira.

Veja também:

especialVisite o canal especial das Eliminatórias da Copa

tabela Eliminatórias da Copa - Classificação

lista Eliminatórias da Copa - Calendário / Resultados

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

 

"Alexis Sánchez é um jogador com muita capacidade de desequilíbrio e velocidade. Foi uma atuação muito destacada", disse Bielsa na entrevista coletiva após a vitória chilena por 3 a 1, em Lima.

 

"Houve momentos em que o Peru pressionou, sobretudo no jogo aéreo, e tivemos que recuar, mas em geral tivemos o domínio do jogo", afirmou Bielsa.

 

Perguntado sobre se a confiança peruana foi abalada pelo gol que o Chile marcou logo no primeiro minuto de jogo, ele disse que não se pode ignorar um fato desses, mas lembrou que o Peru fez um gol no fim do primeiro tempo, o que poderia ter revertido o efeito psicológico.

 

Por sua vez, José Del Solar, técnico do Peru pediu desculpas à torcida pelo "péssimo" jogo de hoje e pela lamentável campanha peruana nas eliminatórias, em que amarga o último lugar da classificação.

 

Johan Fano, autor do único gol peruano deixou o gramado numa mistura de raiva e tristeza, declarando que esta derrota marcou a eliminação definitiva da Copa, em um desânimo que pode facilitar as coisas para o Brasil, que, em quarto lugar, com 18 pontos, enfrenta o Peru na quarta-feira, em Porto Alegre.

 

Jogando fora de casa e na lanterna, com apenas sete pontos, o baixo astral da seleção peruana pode torná-la um adversário bem menos complicado que foi o Equador na altitude de Quito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.