Franck Fife/AFP
Franck Fife/AFP

Deschamps minimiza atuação ruim da França: 'O que importa é que ficamos em 1º'

Técnico admite resultado "conveniente para ambas equipes" e vê ponto conquistado como "o bastante para o time"

Glauco de Pierri, enviado especial / Moscou, O Estado de S.Paulo

26 Junho 2018 | 14h22

Dinamarca e França fizeram uma partida ruim e as duas equipes saíram de campo vaiadas após o 0 a 0, o primeiro na Copa do Mundo. Mesmo assim, o técnico Didier Deschamps, campeão mundial como jogador da seleção em 1998, preferiu valorizar nesta terça-feira a primeira colocação no Grupo C e afirmou que o torneio tem apresentado grande dificuldade para as maiores seleções do planeta. "Terminamos em primeiro. E é isso o que importa para nós", disse logo após a partida.

+ França e Dinamarca avançam às oitavas após o primeiro 0 a 0 da Copa

+ Com gol de Guerrero, Peru consegue vitória honrosa sobre a Austrália

"A verdade é que o resultado convém às duas equipes. Mesmo que nós tenhamos tido as melhores ocasiões. Mas eles colocaram muita densidade para conseguir esse ponto", declarou o treinador. "Veja, era um jogo da fase de grupos mas que poderia se transformar em eliminatório. As defesas foram muito bem. Os times até tiveram chances de gol. Conseguimos um ponto e foi o bastante para nosso time", comentou.

Deschamps considera que a Copa do Mundo tem apresentado grandes dificuldades para as grandes seleções do mundo. "É complicado. Veja Espanha, Alemanha, Argentina, Brasil. São várias equipes que estão enfrentado esse tipo de problema. Todos são fortes fisicamente. Vamos nos organizar, precisamos nos preparar melhor. Agora, empate não é mais um bom resultado. Agora é como a escalada da montanha. Meu time tem muitas ambições, mas os jogos não serão fáceis. Precisamos avançar para o próximo estágio como equipe."

 

Sobre ter começado o jogo com metade do time com reservas, o treinador disse que apenas quer "proteger" seu elenco. "Teremos mais um jogo complicado daqui a quatro dias. Eu os protegi porque quero todos inteiros para o jogo das oitavas de final", afirmou.

"Existem equipes que jogam sempre com os mesmos onze titulares. Nós não. Preciso de um time inteiro fisicamente falando. Então é isso que eu fiz. Na próxima fase teremos jogadores descansados", justificou.

Em relação ao goleiro Mandanda, o técnico disse que conversou com o titular Hugo Lloris, e que resolveu deixar o jogador atuar em uma partida de Copa. "Ele já tem 33 anos, desejou e mereceu isso. E ele foi muito bem. Não há o que dizer sobre isso", avaliou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.