Christophe Simon /AFP
Christophe Simon /AFP

Deschamps pode fazer história ao erguer a taça também como técnico

Até aqui somente dois homens tiveram essa honra: Zagallo e Beckenbauer

Ciro Campos, enviado especial / São Petersburgo, O Estado de S.Paulo

11 Julho 2018 | 05h00

Didier Deschamps está a uma vitória de ser o terceiro homem da história das Copas a ter vivido a maior glória do futebol em dois papéis diferentes. O meio-campista capitão da França campeã em 1998 em casa pode repetir no domingo o gesto de erguer a taça, porém como comandante da equipe.

+ Mbappé diz viver momento especial e pode quebrar recorde na França

+ Umtiti repete trajetória de Thuram com gol em semifinal de Copa​

Até hoje somente dois homens tiveram essa honra. O brasileiro Zagallo ganhou em campo em 1958 e 1962, para dirigir a seleção nacional ao título em 1970, no México. Logo depois foi a vez do alemão Beckenbauer marcar história. Campeão como capitão em 1974, ganhou como treinador em 1990.

“O meu papel agora é diferente, não é o mesmo de anos atrás. Quando olhei para os rostos e olhos dos meus jogadores, fiquei muito feliz por isso. Eu tenho orgulho de estar na final. Meus jogadores se apresentaram com vontade de serem campeões, mas ainda não somos”, disse Deschamps.

O ex-meia é um dos nomes mais vitoriosos da França. Foi ele o responsável por erguer as principais taças do futebol do país, como a única Liga dos Campeões conquistada por um time local, feito do Olympique de Marselha, em 1993. Deschamps também ganhou a Copa de 1998 e a Eurocopa de 2000, sempre como capitão.

 

Toda a experiência, no entanto, não é citada para o elenco em palestras. Deschamps afirmou que prefere deixar o assunto apenas nas fotografias. “Cada um vive no seu tempo, na sua fase. Não podemos olhar para trás, mas sim para frente”, afirmou. 

Apesar disso, a imprensa francesa tem citado comparações e coincidências entre as campanhas de 1998 e a de agora. Assim como no Mundial da França, a equipe estava no grupo C, enfrentou a Dinamarca na primeira fase e teve um sul-americano nas oitavas de final. Deschamps prefere não pensar nisso. “Todos nós temos um destino. Que ele seja o melhor possível”, afirmou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.