Martin Meissner/AP Photo
Martin Meissner/AP Photo

Deschamps põe pressão em Henry, auxiliar da Bélgica: 'Vai enfrentar sua nação'

Juntos enquanto jogadores, franceses foram campeões da Copa de 1998 e da Eurocopa de 2000

Ciro Campos, enviado especial/São Petersburgo, O Estado de S.Paulo

09 Julho 2018 | 12h18

O técnico da França, Didier Deschamps, afirmou nesta segunda-feira que a semifinal da Copa do Mundo nesta terça contra a Bélgica, às 15 horas (de Brasília), em São Petersburgo, vai trazer uma estranha sensação para um antigo companheiro. Atual auxiliar técnico dos belgas, o ex-atacante francês Thierry Henry vai enfrentar o país pela primeira vez e, em especial, antigos companheiros de seleção.

+ Vote: Você acha que Tite deveria continuar como técnico da seleção brasileira?

+ Substituído em todos os jogos, Griezmann manda recado: 'Não estou cansado'

+ Árbitro de França x Bélgica já validou gol de mão que eliminou o Brasil na Copa América

Deschamps relembrou em entrevista coletiva da convivência com o Henry nos tempos de jogador. Juntos, foram campeões da Copa de 1998 e da Eurocopa de 2000, além de atuarem por um curto período na Juventus, da Itália. O treinador francês disse que, para o antigo colega, a semifinal vai proporcionar um desafio complicado, o de se ver como rival do próprio país onde nasceu.

"No futebol é comum situações em que você troca de clube e enfrenta antigos companheiros. Mas no caso dele é diferente. Agora vai enfrentar a sua nação. Mas ele soube que quando foi trabalhar na Bélgica que isso um dia poderia acontecer", afirmou Deschamps. Henry é auxiliar da seleção belga desde 2016, quando o treinador espanhol Roberto Martínez assumiu o comando.

O ex-atacante disputou quatro Copas pela França e participou dos dois melhores resultados do país em mundial: o título em 1998 e o vice, em 2006. Henry é o maior artilheiro da história da seleção e o segundo jogador que mais vestiu a camisa francesa, atrás somente de Lilian Thuram. O histórico pela equipe fez Deschamps ressaltar a admiração que tem pelo antigo colega e agora adversário.

 

"Estou muito feliz por ele. Fomos companheiros na seleção. Ele era jovem e eu já estava no fim da carreira. Thierry fez grandes coisas pelo futebol, admiro o trabalho dele, mas ele está em uma situação muito difícil. Não é comum ter de enfrentar o próprio país, ainda mais em um jogo tão importante como este", afirmou Deschamps, que foi o capitão da seleção francesa campeã do mundo em 1998. Henry ainda chegou a jogar pela França com o goleiro e capitão Hugo Lloris. Ambos disputaram a Copa de 2010 pelo país.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.