ALEX SILVA/ESTADÃO/ 2-11-2015
ALEX SILVA/ESTADÃO/ 2-11-2015

Desde 2015, nenhum técnico consegue completar 50 jogos no São Paulo

Aguirre entra para lista ingrata que tem Bauza como o mais 'longevo' no período, com 48 partidas no cargo

Renan Cacioli, O Estado de S. Paulo

13 de novembro de 2018 | 05h00

A demissão do técnico Diego Aguirre, no último domingo, está longe de ser uma surpresa no São Paulo. Desde a saída de Muricy Ramalho, em abril de 2015, ninguém conseguiu durar 50 jogos no comando da equipe do Morumbi. Aguirre poderia ter chegado a 48, se o trabalho não tivesse sido encerrado a cinco rodadas do fim do Campeonato Brasileiro.

Mudanças de planos, de filosofia e, principalmente, ausência de títulos explicam por que o clube se tornou uma verdadeira máquina de triturar "professores". Em pouco mais de três anos, foram sete efetivos (sem contar interinos, como Milton Cruz, Pintado e o próprio André Jardine, que assumirá o posto até o fim do ano). Foram eles: Juan Osorio, Doriva, Edgardo Bauza, Ricardo Gomes, Rogério Ceni, Dorival Júnior e Aguirre.

Confira quanto tempo durou cada um no cargo:

Osorio: 26 jogos

Doriva: 7

Bauza: 48

Ricardo Gomes: 18

Rogério Ceni: 37

Dorival Júnior: 40

Diego Aguirre: 43

"Você busca o ideal, que é um trabalho com continuidade", disse na última segunda Raí, diretor executivo de futebol, ao explicar que a ideia inicial em relação a Aguirre era de um casamento mais duradouro. "Pelo rendimento nas últimas dez rodadas, a gente sentiu que o trabalho não teve uma reação", emendou.

Depois de liderar o Brasileirão, o time caiu de rendimento, o que pesou para a mudança de planos da diretoria e a repetição da rotina de trocar de técnico.

O mais "longevo" pós-Muricy, o argentino Bauza, ficou 48 partidas no cargo. Deixou o Morumbi seduzido pelo convite para treinar a seleção argentina, em agosto de 2016. Foi pela proposta de uma seleção, mas a mexicana, que o colombiano Osorio também resolveu ir embora, em outubro de 2015, após 26 jogos como técnico são-paulino.

Nesses dois casos, principalmente no de Osorio, não foi somente uma ambição profissional individual que encurtou o relacionamento com o clube. Considerado um modelo de gestão extracampo até o período do tricampeonato brasileiro (2006 a 2008), o São Paulo passou a conviver com uma instabilidade política que afetou diretamente o futebol.

Pegando ainda o exemplo de Osorio, ele saiu depois de ver o então presidente da época, Carlos Miguel Aidar, brigar (literalmente) com seu vice, Ataíde Gil Guerreiro. Ainda conviveu com um problema comum aos outros que ocupariam o cargo: seguidos desmanches de elenco no meio da temporada, já que a venda de atletas se tornou uma das principais fontes de recursos do clube, estragando o planejamento prévio. 

São Paulo mostra falta de foco na escolha do perfil de seus treinadores

Curioso é que, em meio a essa lista de treinadores de curta duração, há todo tipo de perfil: o clube já apostou nos estrangeiros (Osorio, Bauza e Aguirre), nos novatos (Doriva), nos medalhões (Ricardo Gomes), num ídolo indiscutível (Ceni). O que mostra também a falta de foco da gestão atual, do presidente Leco, responsável pela maioria das contratações.

No fim das contas, o jejum de títulos – a Copa Sul-Americana de 2012 foi o único nos últimos dez anos – é o que parece determinar os rumos do São Paulo.

"Qualquer pergunta sobre o comando em 2019 é algo que a gente vai discutir internamente e não vamos emitir opinião neste momento", diz Raí, que não descartou efetivar André Jardine, caso ele vá bem no cargo.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.