Desempenho do Palmeiras empolga Picerni

O técnico do Palmeiras, Jair Picerni, não é muito de se deixar levar pela empolgação, mas abriu uma exceção nesta sexta-feira, no penúltimo treino da equipe antes da partida contra o Mogi Mirim, domingo, pelo Campeonato Paulista. Animado com o desempenho de seu grupo, anunciou que a equipe já atingiu o desempenho apresentado em 2003, quando foi campeão da Série B do Campeonato Brasileiro. ?Já estamos quase no mesmo nível do que apresentamos no ano passado?, disse o treinador. Segundo ele, a adaptação do grupo à presença do meia Pedrinho, do volante Correia e do zagueiro Nen foi rápida e, pelo menos nos treinos, a bola já está fluindo da defesa para o ataque com a mesma velocidade do ano passado. E o time pode não parar por aí. ?Dá para ser melhor?, garantiu Picerni. Para o volante Magrão, já é melhor pelo maior número de opções. ?Agora, além do Elson tem o Pedrinho, além do Marcinho temos Correia, e também não podemos esquecer o Adriano Chuva para bolas de cabeça.? Mas, ao mesmo tempo em que se mostrava motivado com o time, o técnico palmeirense também mostrou preocupação em não deixar o time acomodar pela posição confortável no Campeonato Paulista ? afinal já está classificado para a próxima fase da competição e pega um time que cumpre tabela. A única motivação é a conquista da segunda colocação e a vantagem de jogar em casa na próxima fase. ?Ainda não somos nada, mas se a gente ganhar um título vai ficar bom.? O técnico ressaltou, por exemplo, que o time precisa mostrar mais atenção com as bolas paradas, que resultaram em gols adversários nas duas últimas rodadas do estadual. O zagueiro Nen concordou que ainda não é hora para acomodação. ?Um resultado negativo e a desconfiança da torcida com o grupo volta.? Copa do Brasil ? O jogo entre São Gabriel-RS e Palmeiras, pela Copa do Brasil, será mesmo em São Gabriel. O Superior Tribunal de Justiça Desportiva da CBF acatou na noite de quinta-feira o pedido do clube gaúcho de reverter a punição de perda de mando de jogo e multa R$ 50 mil pelo fato da torcida ter atirado um copo d?água na direção do bandeira na rodada anterior, contra o Figueirense.

Agencia Estado,

12 de março de 2004 | 20h05

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.