Ivan Storti/Santos
Ivan Storti/Santos

Desempenho na Europa vira trunfo para Evandro superar desconfiança no Santos

Meia se define como um jogador que toma decisões mais rápidas a partir da experiência que teve no Velho Continente

Leandro Silveira, Estadão Conteúdo

04 de julho de 2019 | 10h50

Fora do futebol brasileiro há quase nove anos, Evandro tem a passagem pela Europa como trunfo para superar a desconfiança do torcedor do Santos, clube que anunciou a sua contratação na última segunda-feira, em acordo válido até 30 de junho de 2020, e o apresentou nesta quarta.

Com um currículo extenso, Evandro, de 32 anos, surgiu como uma promessa do futebol brasileiro, tanto que foi convocado diversas vezes para as seleções de base, fazendo parte do grupo que foi campeão mundial sub-17 em 2003 e terceiro colocado no Mundial Sub-20 de 2005.

Essas experiências levaram Evandro a até receber o apelido "Evandro Seleça" de seus companheiros, algo que terminou se voltando contra ele durante as irregulares passagens por alguns dos principais clubes do futebol brasileira, especialmente no Palmeiras.

"Acredito que são só opiniões. Tive partidas boas e ruins no Palmeiras. O apelido veio antes do Palmeiras, veio da base, quando jogava bastante pelas seleções. Sempre fui profissional e dei meu máximo em todos os clubes que passei", afirmou, durante a sua entrevista de coletiva de apresentação.

Nas palavras de Evandro, ele se tornou um jogador que toma decisões mais rápidas a partir da experiência que teve no Velho Continente. "Melhorei pelo fato de ter de jogar mais rápido, com o mínimo de toques. Melhorei muito nesse aspecto, já no meu primeiro time da Europa", acrescentou.

Na Europa desde 2011, Evandro teve passagens consistentes pelos clubes que defendeu por lá. O primeiro deles foi o Estrela Vermelha, onde ficou por dois anos, com 49 jogos disputados e 16 gols marcados. Depois, em Portugal, Evandro atuou inicialmente pelo Estoril, com 16 gols em 73 partidas. As duas temporadas dele por lá foram as melhores da história do clube, que ficou em quarto e quinto lugar no Campeonato Português, se classificando à Liga Europa com essas campanhas.

Esse desempenho o levou para o Porto, onde somou seis gols em 60 confrontos. De acordo com Evandro, no tradicional clube de Portugal, ele aprendeu a desempenhar funções mais defensivas. Isso poderá ser importante para o meio-campista conquistar espaço no Santos, que recentemente perdeu o volante Jean Lucas, que estava emprestado ao clube pelo Flamengo, que o vendeu ao Lyon, e não contratou um jogador para a posição. "Fiz muito a função defensiva no Porto. Não terei problema se ele (o técnico Jorge Sampaoli) me pedir para jogar nessa função", disse.

O último time de Evandro na Europa foi o Hull. Lá, onde estreou em janeiro de 2017, fez cinco gols em 46 jogos. A temporada 2018/2019 foi a que ele mais vezes atuou pelo clube, hoje na segunda divisão inglesa - 23 partidas. Porém, em nenhum desses compromissos ficou em campo por 90 minutos, sendo que não era desde titular desde 12 de fevereiro.

E isso, como ele próprio admitiu, poderá adiar a sua estreia. "Acredito que não posso jogar no primeiro jogo ainda. Tenho trabalhado a parte física e preciso de mais uns dias para melhorar isso", justificou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.