Divulgação
Divulgação

Desentendimento pode deixar Grêmio sem estádio no Brasileirão

Banco do Brasil e OAS divergem sobre financiamento da arena

O Estado de S. Paulo

13 de maio de 2015 | 20h02

Um desentendimento entre a OAS, construtora investigada na Operação Lava-Jato da Polícia Federal, e o Banco do Brasil pode fazer o Grêmio disputar jogos longe de sua casa. A empresa não está conseguindo pagar o financiamento feito com três bancos para a construção da Arena do clube gaúcho em 2012.

O Tricolor Gaúcho acompanha a situação de perto. Segundo o presidente do clube, em declarações ao jornal Zero Hora, a Arena Porto-Alegrense, empresa que administra o estádio do Grêmio, e a OAS, estariam com as prestações atrasadas.

O empréstimo feito pela OAS para construção da Arena do Grêmio, via BNDES, teve parceria com Santander, Banrisul e Banco do Brasil. Dos R$ 260 milhões financiados, R$ 70 milhões já foram quitados. Porém, o modelo adotado é contestado pelo Banco do Brasil.

Atualmente, o lucro obtido com a bilheteria, além do repasse da equipe gremista de cerca de R$ 1,8 milhão, é mantido em uma conta centralizadora, administrada pelo Banrisul, onde são depositados os valores. Para evitar repasse de custeio da operação e possíveis 'calotes', o Banco do Brasil quer garantir o dinheiro da conta para bancar o financiamento.

Através de nota oficial, a OAS, a exemplo do clube, também disse confiar na solução do impasse em breve: "a OAS Arenas está empreendendo todos os esforços para superar as dificuldades deste momento e confia que chegará a um acordo com os bancos para garantir a continuidade da operação da Arena do Grêmio. A empresa está convicta de que não faltará apoio de todas as partes envolvidas na negociação para atingir este objetivo", diz o texto.

CONFIRA A NOTA:

A OAS Arenas está empreendendo todos os esforços para superar as dificuldades deste momento e confia que chegará a um acordo com os bancos para garantir a continuidade da operação da Arena do Grêmio.

A empresa está convicta que não faltará apoio de todas as partes envolvidas na negociação para atingir esse objetivo.  

É importante destacar ainda que a Arena do Grêmio está em operação normal e cumpre rigorosamente todos os seus compromissos com colaboradores, fornecedores e clientes.

Tudo o que sabemos sobre:
FutebolGrêmioArena GrêmioOAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.