Desentrosados, Nilmar e Luís Fabiano param na retranca

A dupla de ataque da seleção brasileira no 0 a 0 contra Portugal foi Nilmar e Luís Fabiano. Como não conseguiram marcar gols, os dois foram questionados sobre o insucesso ofensivo amargado no duelo. Cada um deu sua justificativa para o fato, que pode ser creditado ao desentrosamento entre os dois e à forte retranca adversária.

MILTON PAZZI JR., Agência Estado

25 de junho de 2010 | 15h39

Luís Fabiano elogiou e defendeu o companheiro de ataque. "Nilmar foi bem, é um grande jogador, a dificuldade maior neste jogo foi porque nunca tive uma sequência com ele, não estou entrosado com ele. Acho que este jogo foi até mais difícil do que contra a Coreia. O adversário veio realmente para empatar o jogo, tocamos a bola, tentamos, viramos jogo, mas não deu", disse o camisa 9 do Brasil.

Por outro lado, Nilmar se justificou pela dificuldade em passar pela defesa adversária. "Estou contente. Procurei aproveitar, a gente sabia que ia ser um jogo complicado, para a gente ali na frente é mais ainda, gosto de ter espaço e teve pouco. O primeiro tempo foi legal, o segundo tempo dificultou muito, pois Portugal ficou mais atrás e estava contente com o empate. Como teve pouco espaço, é complicado. O adversário tirou lateral e colocou zagueiro...", disse o jogador.

Essa dupla de ataque do jogo contra Portugal não deve voltar a se repetir nesta Copa do Mundo, já que os titulares são Robinho e Luís Fabiano e o primeiro deles terá condições de jogar a primeira partida das oitavas de final, na segunda-feira, depois de ter sido poupado do duelo diante dos portugueses.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.