Desertores cubanos fazem teste em clube de Miami

Cinco membros da seleçãocubana de futebol sub-23 que desertaram nos Estados Unidosdurante o torneio pré-olímpico estão fazendo testes no MiamiF.C. e podem ter a chance de firmar um contrato profissional,informou o clube nesta quinta feira. Os jogadores cubanos desertaram da delegação na terça-feiraà noite, pouco depois do empate em 1 x 1 contra os EUA pelotorneio pré-olímpico da América do Norte, Central e Caribe(Concacaf), que classifica duas seleções para os JogosOlímpicos de Pequim, em agosto. Os cinco desertores são o goleiro José Manuel Miranda, osdefensores Erlys García, Yenier Bermúdez (capitão da equipe) eLoanni Cartaya, e o meio campista Yordany Alvarez. Os jogadores começaram a treinar com o Miami F.C., clubeque disputa a United Soccer Leagues, uma categoria abaixo daMajor League Soccer, primeira divisão do campeonatonorte-americano. "Ficarão treinando conosco por este fim de semana até ocomeço da semana que vem", declarou Marcos Ommatti, porta-vozdo Miami F.C. Os atletas foram observados na terça-feira pelo gerentegeral do clube, Luis Muzzi. "Os cubanos jogaram realmente bem. Nós iremos lhes oferecera possibilidade de um teste. Se mostrarem que são bons, talvezrecebam ofertas de contratos", afirmou Ommatti. Cuba busca sua primeira classificação olímpica de futeboldesde os Jogos de Moscou em 1980 e deve jogar na quinta-feira asua segunda partida pelo torneio, contra Honduras, em Tampa, naFlórida. A Concacaf deve agora determinar se Cuba pode continuarparticipando do torneio com somente 13 jogadores, ao invés de18. O treinador cubano, Raúl Gonzalez, conta somente com 12jogadores para a partida contra Honduras, pois o atacanteRoberto Linares está suspenso por ter recebido um cartãovermelho. CUBA FALA DE "COVARDIA" "Esta atitude dispensa comentários. É uma grandeirresponsabilidade e um ato de covardia dos cinco jogadores",disse à Reuters o diretor da Associação de Futebol de Cuba,Antônio Garcés, na quinta-feira. "Eles não têm moral nem ética nem nada. Não deram as caraspara seguir no torneio", afirmou o diretor nas primeirasdeclarações oficiais sobre o tema na ilha. Meios de comunicação internacionais informaram nestaquinta-feira que outros dois jogadores da seleção cubana haviamdesertado na Flórida. "Não temos confirmação", afirmou Garcés em relação àssupostas deserções. "Luis (Hernández) não nos informou mais nada", disse odiretor, referindo-se ao presidente da Associação de FutebolCubana, que chefia a delegação. As deserções são consideradas o calcanhar de Aquiles doesporte cubano. Nos últimos tempos, atletas de diversasmodalidades como o voleibol e o boxe, além de bailarinos,músicos e artistas, têm desertado. Cuba já garantiu a classificação de 116 atletas de 14modalidades para os jogos de Pequim. (Reportagem de Simon Evans e Nelson Acosta)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.