Bruno Cantini / Atlético-MG
Bruno Cantini / Atlético-MG

Desfalcado, Atlético-MG pega Chapecoense em busca de fim do jejum como visitante

Thiago Larghi tem três problemas para armar equipe que vai à Arena Condá às 16h

Estadão Conteúdo

06 Outubro 2018 | 06h38

Um desfalcado Atlético Mineiro tentará reagir como visitante no Campeonato Brasileiro neste sábado. Às 16 horas, o time vai entrar em campo para encarar a Chapecoense na Arena Condá, pela 28ª rodada da competição, em busca do fim de um jejum quando atua longe de casa.

São quatro jogos sem vitória como visitante no Brasileirão, com dois empates e duas derrotas nesses compromissos, algo que o afastou da briga pelas primeiras posições, tanto que o time iniciou esta rodada a oito pontos do líder e a cinco do G4, a zona de classificação à fase de grupos da próxima edição da Copa Libertadores.

Para dificultar a sua tarefa, o Atlético-MG vai jogar bastante desfalcado na Arena Condá, pois o zagueiro Iago Maidana está suspenso pelo terceiro cartão amarelo, enquanto o meia equatoriano Cazares e o centroavante Ricardo Oliveira se lesionaram durante treinos nesta semana na Cidade do Galo. Além disso, o reserva Nathan também é desfalque por lesão.

A ausência de Maidana abre espaço para Gabriel, que foi titular nas temporadas anteriores, a tentar recuperar seu espaço no sistema defensivo atleticano ao atuar ao lado de Leonardo Silva. E poderá até permitir uma estreia, a do zagueiro uruguaio Martín Rea, que chegou ao clube em agosto e ainda não havia sido relacionado pelo técnico Thiago Larghi.

O treinador também vai promover a entrada de Matheus Galdezani no meio-campo, na vaga de Cazares, deixando o Atlético-MG com uma formação mais forte fisicamente e também com maior proteção ao seu sistema defensivo, embora Larghi tenha assegurado que a equipe atuará em busca da vitória. "Respeitamos a Chapecoense, uma equipe competitiva, que terá o apoio da torcida, mas nosso grupo sabe o que precisa fazer, temos um grupo forte e esperamos sair com a vitória", afirmou o treinador.

No ataque, Denilson foi o escolhido para substituir Ricardo Oliveira. O atacante, ex-Vitória, já disputou quatro jogos, mas nenhum como titular do Atlético-MG. Além disso, ainda não marcou nenhum gol. "O Denílson precisava de uma oportunidade e, com a ausência do Ricardo (Oliveira), esperamos que ele aproveite", disse Larghi.

Será com ele que o time vai buscar a primeira vitória sobre a Chapecoense em 2018? O Atlético-MG caiu para o adversário nas oitavas de final da Copa do Brasil nos pênaltis, após dois empates por 0 a 0. Já no primeiro turno do Brasileirão, nova igualdade, dessa vez por 3 a 3, no Independência.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.