Desfalcado, Corinthians tenta embalar contra o lanterna

O veterano Alessandro é um dos vários jogadores que só serão titulares contra o Náutico, neste domingo, às 16 horas, no estádio do Pacaembu, em São Paulo, pela 19.ª rodada do Campeonato Brasileiro, porque o Corinthians entra em campo desfigurado. Sua opinião, no entanto, tem peso porque foi o capitão do time nas conquistas da Copa Libertadores e do Mundial de Clubes da Fifa. E ele foi sincero ao falar do papel da equipe neste Brasileirão.

VÍTOR MARQUES, Agência Estado

08 de setembro de 2013 | 07h44

"É importante terminar o turno com vitória e embalar. Se ficarmos distantes dos dois primeiros colocados, vai ficar difícil (o título). Nosso segundo turno tem de ser intenso e não oscilar como foi o primeiro". Alessandro está certo. O Corinthians chega à última rodada do primeiro turno como um ponto de interrogação. De então favorito, foi até agora um figurante - bons jogos, como o contra o Flamengo, foram exceção e não a regra.

Até o início da rodada, o time estava a oito pontos do líder Cruzeiro e fora do G4, a zona de classificação à Libertadores, e já se vê perseguido por Internacional e até o Goiás. Se é possível falar em sorte para um time que coleciona desfalques, são oito, o adversário desta tarde é o Náutico, o pior time disparado do campeonato, que soma oito pontos em 51 disputados e já acumula duas trocas de treinadores.

O técnico Tite fez tudo o que estava ao seu alcance para escalar o time. Ele deu chance a garotos como Igor, na lateral esquerda, e Léo, no ataque, e descolou Edenílson para o meio de campo, trazendo Alessandro de volta à lateral direita. É o melhor que se pode fazer quando há desfalques como Douglas e Emerson (suspensos), Guerrero e Alexandre Pato (nas seleções), além de Renato Augusto (machucado).

Para vencer o Náutico, Tite vai escorar em dois jogadores - Danilo, o principal armador, e Romarinho, o atacante mais habilidoso e que terá mais liberdade, tendo em vista que o meio de campo terá três volantes (Ralf, Ibson e Edenílson). Somam-se a Danilo e Romarinho, a gana e a vontade de Léo mostrar serviço. Pela primeira vez o garoto, formado nas categorias de base, será titular do Corinthians. "Será o jogo da minha vida", disse. "Vou dar meu máximo pensando que o Tite possa me colocar de novo em campo".

Léo tentará jogar como um jogador de referência na área, embora não tenha tanta característica de pivô. Mas foi a falta de um centroavante que prejudicou o time contra o Internacional, na derrota por 1 a 0, em Novo Hamburgo (RS), no meio de semana. A falta de opções também faz com que Tite tenha poucas opções para montar o banco de reservas. E isso deve dar nova e talvez a última chance do chinês Zizao ser relacionado.

Alessandro pediu para a Fiel ter paciência e incentivar o time, que pode apresentar falhas de posicionamento e entrosamento. Segundo ele, a equipe mais ficar mais "leve". "Teremos uma equipe modificada em todos os setores, o Romarinho junto com o Léo, são jogadores de movimentação. Isso muda muito a equipe e o torcedor tem de ter compreensão. Precisa abraçar e incentivar. É um jogo decisivo para nós".

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBrasileirãoCorinthians

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.