Lucas Uebel/Grêmio
Lucas Uebel/Grêmio

Desfalcado de meio time, Grêmio tenta quebrar tabu contra o Palmeiras no Pacaembu

Tricolor gaúcho não vence o alviverde em São Paulo desde 2008

Estadão Conteúdo

14 Outubro 2018 | 05h54

Remendado por não poder contar com seis titulares, o Grêmio desafia o líder Palmeiras no Pacaembu neste domingo, às 16 horas, no duelo válido pela 29ª rodada do Campeonato Brasileiro e de extrema importância na briga pelo título da competição.

Os desfalques vão do goleiro ao atacante e são, na maioria, causados por contusões. Marcelo Grohe, Léo Moura - este fez até trabalho com bola - e Bruno Cortez chegaram a correr no gramado na última sexta-feira, mas o trio não deve ter condições de atuar.

Além do trio, Renato Gaúcho tem três baixas confirmadas: o zagueiro Kannemann, convocado para a seleção da Argentina, o meia Ramiro, que se recupera de um estiramento no ligamento colateral do joelho direito, e o atacante Everton, com lesão muscular que também o tirou da seleção brasileira.

Acostumado a fazer mistério, Renato Gaúcho não mudou sua estratégia e preferiu não revelar se o trio da defesa realmente não poderá atuar e quais serão os titulares escalados.

Com o que pôde ser visto nos últimos treinamentos, Paulo Victor assume a meta, Bressan forma a dupla de zaga com Geromel, Leonardo substitui Léo Moura, Juninho Capixaba entra na vaga de Cortez, Marinho e Pepê brigam pela vaga de Ramiro e Alisson assume o posto de Everton.

O time gaúcho vem de quatro jogos sem ser derrotado, com três vitórias neste período, e encara a partida como uma decisão pela distância dos dois times na tabela de cinco pontos. Ou seja, se o líder Palmeiras vence, se isola ainda mais na ponta e, dependendo de outros resultados, pode se desgarrar dos rivais. Se o Grêmio, contudo, sair vencedor, a diferença entre os dois cai para dois pontos e a briga pela taça fica embolada.

Um triunfo gremista encerrará dois tabus: o de nunca ter vencido no estádio do Pacaembu e o de não derrotar o rival alviverde em São Paulo desde 2008.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.