Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Desfalques dificultam trabalho de Picerni

Jair Picerni não costuma fazer mistério quando o assunto é a escalação de seu time, mas a ausência de três atletas no treino desta sexta-feira deixou dúvidas no técnico do Palmeiras quanto à definição da equipe para o jogo contra o Guarani, domingo, no Palestra Itália. "Ainda não sei como vai jogar. Depende da recuperação de alguns atletas", admitiu o treinador.Nesta sexta-feira, o zagueiro Leonardo, o lateral Baiano e o volante Magrão não participaram das atividades, todos com dores musculares na coxa. "O Magrão chegou a fazer um trabalho na sala de musculação e não deve ser problema, mas o Baiano preocupa. E o caso do Leo é mais difícil", explicou Picerni. Fora isso, Marcinho ainda pode ficar de fora por causa de seu tratamento para asma, aumentando os desfalques do time.Os problemas de escalação preocupam Picerni mais do que as falhas do time. O técnico do Palmeiras é o primeiro a admitir que o rendimento do grupo não é o ideal, especialmente no aproveitamento do ataque, mas avalia ainda que é cedo para "ligar o alerta". "As épocas mais difíceis da temporada são o começo e o fim do ano", afirmou. "Para o início, está bom."Apresentação - Nesta sexta-feira, o zagueiro André Bahia se apresentou ao Palmeiras elogiando a estrutura de seu novo clube. "Não dá nem para comparar com a do Flamengo. Aqui realmente oferece tudo que o jogador precisa para se desenvolver, inclusive honrando os pagamentos, que hoje é uma coisa rara no futebol brasileiro", disse o jogador.Picerni acabou admitindo que o jogador não era o pretendido para substituir Daniel, que está contundido, mas que suas boas referências contaram para que desse o aval na contratação. "A idéia é vir mais um atacante, um meia e um zagueiro", disse o técnico.Seleção - Além do goleiro Marcos, o Palmeiras tem mais um convocado para seleção. O atacante Muñoz vai defender a Colômbia no amistoso contra Honduras, no dia 18. Mas ele tomou uma postura cautelosa. "O importante seria ser chamado constantemente", disse o jogador, que não defende a seleção colombiana desde 2000.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.