Desportiva Ferroviária/Divulgação
Desportiva Ferroviária/Divulgação

Desportiva rejeita demitir técnico preso por racismo

Clube defende o técnico e afirma que Vevé nunca teve postura racista, mas se coloca à disposição para cooperar nas investigações

Estadão Conteúdo

15 Setembro 2014 | 16h13

Mais um caso de suposto racismo aconteceu no futebol brasileiro neste fim de semana. Após partida válida pela Copa Espírito Santo, contra o Atlético-ES, o técnico da tradicional Desportiva Ferroviária, Vevé, foi preso pela Polícia Militar, acusado de ofensas raciais contra o goleiro reserva Jefferson e o maqueiro Admilson, ambos o time rival.

De acordo com a TV Gazeta Sul, o primeiro ato de racismo teria acontecido na saída para o intervalo. Em meio a uma confusão, Vevé teria se referido a Jefferson como "Negão". O caso foi reportado à Polícia Militar.

Depois, durante o segundo tempo, o treinador teria ofendido o maqueiro, cujo apelido é "Café". "Eu passei beirando o banco da Desportiva e o técnico falou: ''Corre, macaco. Corre, loirinho da África. Vai, macaco. Vai, loirinho da África". Os jogadores ficaram rindo e eu fiquei constrangido", disse Admilson, à TV Gazeta Sul.

Vevé deixou o estádio do Atlético, em Itapemirim, direto para a prisão. Durante a madrugada de domingo, ele pagou a fiança e foi solto. O técnico negou as ofensas. "Eu chamei ele de negrão. Ele negrão ou é branquinho? Eu tenho 53 anos, não sou louco, nem desvairado", disse ao canal de televisão local.

A Desportiva, depois, saiu em defesa do treinador. "Desde maio deste ano na Desportiva, Vevé nunca apresentou conduta preconceituosa e gerencia um grupo de atletas que conta com vários negros, muitos indicados por ele. A diretoria do clube continua apurando os fatos e, tendo acesso ao inquérito e a seu desenvolvimento, oportunamente irá se pronunciar de maneira conclusiva. Sem o julgamento do caso, a diretoria não cogita a saída do técnico Vevé, que realiza um grande trabalho no comando da Desportiva. O clube se dispõe a cooperar com todas as investigações sobre o caso."

Mais conteúdo sobre:
futebolracismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.