Despreocupado, Cafu diz que é hora de pensar na Croácia

O lateral Cafu disse nesta segunda-feira que não está preocupado com a notícia de que corre o risco de ser preso, acusado de falsificar documentos para obter o passaporte italiano. O jogador disse que nem ele nem seus advogados foram notificados pela Justiça italiana, e que agora tem outras prioridades."É hora de pensar só na Croácia. Vou me preocupar com isso depois da Copa", disse o capitão da seleção brasileira. Nesta segunda-feira, o promotor Antonello Racanelli pediu a pena de nove meses de prisão para Cafu, sua mulher, Regina Feliciano, o presidente da Roma, Franco Sensi, e o jogador argentino Gustavo Bartelt, que também teria falsificado seu documento para poder defender a equipe da capital italiana sem ocupar a vaga de jogador extracomunitário.Em 2003, a Justiça italiana já havia absolvido a todos por falta de provas - Cafu teria usado documentos de sua mulher para obter a cidadania italiana sem ter conhecimento disso. O caso, no entanto, foi reaberto, e em maio de 2004, quando já defendia o Milan, o jogador teve de voltar a prestar contas à Justiça. Na época, dezenas de jogadores, principalmente argentinos e brasileiros - entre eles o goleiro Dida -, foram acusados de procedimentos semelhantes. Nesta segunda-feira, em Berlim, o técnico Carlos Alberto Parreira disse que conversou com o jogador, e que o assunto já está superado. Disse ainda que achou estranho que a notícia estourasse bem na véspera da estréia do Brasil na Copa, em Berlim, contra a Croácia."Estamos há quatro semanas nos preparando, e isso só apareceu agora. Pode ser que seja só para desestabilizar nosso time, mas não vai nos afetar", atestou o treinador. "É uma coisa meio estranha, pelo que eu saiba isso já tinha acabado", completou Kaká, companheiro de Cafu no Milan.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.