Destino de Marcelinho deve ser o Fluminense

O meia Marcelinho Carioca completa nesta quarta-feira 32 anos e diz não querer presentes, apenas tranqüilidade para continuar jogando futebol, mesmo sem ainda saber qual será o seu destino em 2004. O certo é que o Fluminense saiu na frente na luta para ter o atleta defendendo suas cores na próxima temporada. Marcelinho Carioca chegou nesta terça ao Rio para comemorar o aniversário e o réveillon com os familiares. Contou ter recebido propostas de clubes do Rio, de São Paulo, de Minas Gerais e até do exterior, mas se negou a dizer o nome dos possíveis interessados. ?O que desejo é atuar em um clube que tenha uma boa estrutura e monte um time competitivo em 2004?, afirmou Marcelinho. ?Quero ter tranqüilidade para mim e minha família. Fui muito feliz em São Paulo e também no Rio.? Apesar de não revelar o nome dos clubes interessados em sua contratação, Marcelinho Carioca admitiu ter recebido um telefonema nesta terça-feira pela manhã do atacante Romário, do Fluminense. O motivo da conversa teria sido um convite do artilheiro para que o meia atuasse em uma ?pelada? comemorativa na noite desta terça. Marcelinho Carioca deixou transparecer, no entanto, que o diálogo com Romário teria se estendido além do convite para a confraternização. O jogador limitou-se a rir e calar-se quando indagado sobre o pedido do artilheiro para que ele aceitasse atuar no Fluminense. ?Tenho uma relação ótima com o Romário e o respeito é muito grande entre nós. Atuamos juntos em 1997, pelo Valência (Espanha)?, lembrou Marcelinho Carioca. ?Na época ele ia na minha casa e fiquei muito contente quando soube das declarações que ele deu a meu favor e sobre o meu futebol.? A possibilidade de ir para o Corinthians não foi descartada por Marcelinho Carioca. O jogador evitou durante toda a entrevista entrar em polêmicas ou dar declarações onde pudesse parecer ?anti-ético?. No entanto, em determinados momentos demonstrou querer mandar alguns recados. ?Nada resiste ao talento e ao bom profissional.? E enquanto não decide seu futuro, o jogador deseja é esquecer os maus momentos vividos nos Emirados Árabes. Aliviado por estar de volta ao Brasil, o atacante recordou ter recebido este ano o melhor presente de Natal de sua vida, quando ganhou o visto de retorno ao País. O drama de Marcelinho Carioca nos Emirados Árabes começou no início de dezembro quando tentou rescindir seu contrato com o Al-Nassr e foi impedido pelos dirigentes de deixar o país. O jogador teve seu passaporte retido e não pode deixar o local. Sua saída dos Emirados Árabes foi viabilizada com a ajuda do governo brasileiro e da Fifa, que reconheceu a falta depagamentos do clube a Marcelinho Carioca. O total da dívida não foi confirmada pelo jogador, mas seria referente a quatro meses de salários. O meia ainda aproveitou para negar que esteja devendo aos árabes. ?Esse papo de que estou devendo é fofoca. A maior prova de que estou com a razão foi o fato de a Fifa ter exigido na véspera do Natal a minha liberação do Al-Nassr em 48 horas?, frisou Marcelinho Carioca que, entre agosto e dezembro nos Emirados Árabes, atuou por 15 partidas e marcou sete gols. ?Agora vou processá-los e pedir indenização por tudo o que passei.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.