Desvalorização de Ronaldo chega a 83% com ida para o Milan

A venda de Ronaldo para o Milan, da Itália - que está perto de ser fechada -, soa como uma pechincha: 6 milhões de euros (US$ 7,3 milhões, cerca de 16,6 milhões de reais), pelo que já chegou a custar o atacante, no auge de sua forma, quando era badalado por ser o destaque da seleção brasileira e goleador. Em queda de produção e perto do fim da carreira pela idade, a desvalorização é de exatos 83,52%. Para o Real Madrid, fica a sensação de perda de dinheiro, já que ele custou 45 milhões de euros em 2002 (US$ 44,3 milhões, ou 134 milhões de reais em valores da época) e tinha contrato até julho de 2008, com multa oficial estipulada em contrato de R$ 450 milhões de reais. É bom lembrar que o clube ganhou neste período com vendas de produtos e publicidade em cima dele, o que certamente proporcionou o retorno deste investimento. Mesmo com essa queda, o time italiano aposta em Ronaldo por acreditar que ele possa resolver o principal problema nos jogos: a falta de gols e de um ídolo com a característica de artilheiro (status que era de Shevchenko até o fim da temporada passada, quando foi para o Chelsea). Justamente a imagem que o jogador tinha até 2002, quando foi campeão do mundo e artilheiro da Copa do Mundo. Até lá, sua valorização havia sido de 177.100%. No São Cristóvão, clube em que começou, havia custado apenas US$ 25 mil. Ronaldo, segundo levantamento da revista France Football, receberia cerca de 60 milhões de reais por ano jogando na Espanha, sendo 11 milhões de reais só do Real. Acredita-se que a diferença ao trocar de país não seja muito grande. O atacante quer jogar na Itália pela visibilidade que terá no Milan - um dos maiores times do mundo - e a diferença de estilos. Além de, mesmo estando em má fase, continuar em um grande campeonato e saber que será titular no time rubro-negro. Ofertas melhores para ele e para o clube até apareceram: o New York Red Bull teria oferecido 255 milhões de reais por cinco anos de contrato (50 milhões de reais por ano) ao jogador e o Al-Ittihad, da Arábia Saudita, 55 milhões de reais só para o time.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.